O TAMUATÁ DE OURO
Ruy Guarany Neves

Ao ler atentamente a matéria de autoria do jornalista Ronaldo Brasiliense, recentemente publicada na imprensa, sobre os desmantelos que vem ocorrendo no governo do PDT-AP, liderado pelo governador Waldez Góes, considerado como o campeão do nepotismo , do Brasil, outros pontos da bombástica publicação, mereceram a minha maior atenção. Até porque, entendo que o nepotismo na Terra da Santa Cruz, teve início logo após o seu descobrimento por Pedro Álvares Cabral, quando, Péro Vaz de Caminha, solicitou ao Rei de Portugal, autorização para colocar um membro de sua família, na administração que se iniciava. De qualquer, forma, entende-se de que, o governador Waldez Góes cometeu exageros, ao criar um verdadeiro “trem da alegria”, repleto de parentes, que segundo consta, somam 69 apaniguados familiares, o que, de certo modo, justifica o título de “campeão do nepotismo”.

Prosseguindo na análise da publicação, o que despertou maior atenção e sinaliza para a existência de indícios de corrupção no governo do PDT, são os contratos graciosos e as compras superfaturadas, inclusive, no que diz respeito ao fornecimento de gêneros alimentícios à residência oficial, onde o Tamuatá, que custa nas feiras , nada mais do que tres reais, vem sendo adquirido, por R$. 6,90 e pago com recursos públicos.

Talvez, atraído pela cor amarelada do saboroso peixe, o governador tenha confundido com o ouro, pouco importando se o dinheiro pública esteja saindo pelo ralo do desperdício...