Crescem os números da violência contra a mulher

Segundo dados da Secretaria Extraordinária de Políticas para as Mulheres, a violência contra a mulher no Estado do Amapá sofreu um agravamento a partir de 2004, o que pode ser resultado da maior disposição das mulheres em denunciar a violência a que são submetidas, levando em consideração o conhecimento dos locais, a confiança na proteção e nos mecanismos de denúncia.

Em 2004

Uma mulher sofre violência a cada 24 minutos;
Cinco mulheres sofrem violência a cada 2 horas;
Sessenta mulheres sofrem violência por dia.

Em 2005 a evolução foi negativa e a situação ficou assim:

Uma mulher sofre violência a cada 17 minutos;
Sete mulheres sofrem violência a cada 2 horas;
Oitenta e quatro mulheres sofrem violência por dia.

Em 2006 a evolução continuou negativa:

Uma mulher sofre violência a cada 15 minutos;
Oito mulheres sofrem violência a cada 2 horas;
Oitenta e seis mulheres sofrem violência por dia.

Os dados foram coletados dos seguintes órgãos: Secretaria Extraordinária de Políticas para as Mulheres (SEPM); Centro de Atendimento à Mulher e à Família (CAMUF); Secretaria de Justiça e Segurança Pública (SEJUSP); Delegacia de Crimes Contra a Mulher (DCCM); Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP); Defensoria Pública do Estado do Amapá (DEFENAP); Hospital da Mulher Mãe Luzia; Casa Abrigo Fátima Diniz; Coordenadoria da Penitenciária Feminina.

Os registros de ocorrências da DCCM sofreram aumento significativo:

De 2003 para 2004 - aumento de 10,31%;

De 2004 para 2005 - aumento de 20,58%;

De 2005 para 2006 - aumento de 1,85%.

Levando em consideração a taxa de crescimento populacional, a variação em torno de 2% (dois pontos percentuais) pode ser considerada estável. Quanto ao Hospital da Mulher os dados obtidos registram 19 atendimentos a mulheres vítimas de violência sexual em 2005 e 30 em 2006.

Ainda no Hospital Mãe Luzia - com relação ao aborto - o número de atendimentos chega a mais de 1.000 ao ano. O número de internações ultrapassa a casa dos 10.000 indicando entre 12% e 14% (pontos percentuais). As meninas chegam ao hospital a partir dos 12 anos de idade, apresentando quadro grave de abortamento.

ANO Nº ATENDIMENTOS Nº INTERNAÇÕES PERCENTUAL
2003 1.427 11.239 12,69%
2004 1.433 10.289 13,92%
2005 1.505 10.340 14,55%
2006 1.053 8.222 12,80%

Conclusão: a violência encontra-se principalmente dentro dos lares; um raio-x da violência demonstra que os abusos contra a mulher começam muito cedo; a mulher não se sente respeitada. (Secretaria Extraordinária de Políticas para as Mulheres).