CÍRIO 2007 - PROGRAMAÇÃO

12/10 - Encerramento das peregrinações com as imagens chegando na Nova Catedral. A que vem das escolas chega às 09 horas. A Outra, saindo da igreja Nossa Senhora da Conceição, Trem, deve chegar às 18:30 horas.

12/10 - Corrida do Círio, com a largada às 08 horas e chegada em frente da Catedral, com a benção e premiação.

13/10 - Missa às 19 horas, na Catedral de São José e em seguida a Procissão de Trasladação, seguindo pela rua General Rondon/ av. Cora de Carvalho/ igreja Nossa Senhora de Fátima.

14/10 - Santa Missa presidida por Dom Pedro Conti às 07:30 horas e logo após a Procissão do Círio, com o seguinte itinerário: Cora de Carvalho/ Hildemar Maia/ Mendonça Furtado/ Hamilton silva/ presidente Vargas/ Cândido Mendes/ praça Veiga Cabral/ antiga Catedral.

14/10 - Abertura do novenário, às 18:30h, Terço e Ladainha; às 19h, Santa Missa, com o tema: Com Maria, Missionários neste Chão. O novenário segue até o dia 20/10.

A programação prossegue até o dia 21/10.

ASPECTOS HISTÓRICOS DO CÍRIO DE MACAPÁ

A palavra "Círio" vem do latim "Cereus" (cera), que significa vela grande acesa, muitas velas, que geralmente marca o início de procissões noturnas. O termo Círio já existia em Portugal, desde a Idade Média, para designar as romarias que iam de uma aldeia à outra, uma devoção milenar. Registros históricos indicam que a devoção mais antiga em honra de Nossa Senhora de Nazaré, ao norte do Brasil, surgiu na localidade de Vigia/Pa, por volta de 1697, trazida por famílias portuguesas, antes mesmo da chegada dos Jesuítas.

A partir de 1793, com a imensa repercussão popular do achado da pequena imagem de Maria de Nazaré, começa em Belém/Pa, a tradição do Círio, hoje realizado no segundo domingo de outubro, é considerada a maior procissão católica do mundo. A fé em Nossa Senhora de Nazaré ultrapassou os limites de Belém, chegando em vários municípios paraenses, ultrapassando as fronteiras do Pará, levando a procissão do Círio para quase todos os estados da Amazônia e de outras regiões do País.

Desde 1934, o Círio de Nazaré é realizado também em Macapá. Os devotos que não tinham condição financeira de viajar para acompanhar o Círio em Belém, com o apoio do prefeito da época, Major Eliezer Levy e outras pessoas influentes, solicitaram ao padre Felipe Blanck, então vigário-geral de Macapá, a realização da procissão.

O primeiro Círio foi realizada no dia 06 de novembro de 34. Segundo pesquisas e depoimentos de familiares e amigos, a imagem levada em procissão pertencia à família Serra e Silva ou à família Mendes Coutinho e a trasladação saia da casa da inesquecível professora Guíta.

A partir de 1948, com a chegada dos primeiros missionários do Pime (Pontifício Instituto das Missões Estrangeiras), o Círio de Macapá passa a ser celebrado no mesmo dia do de Belém, no segundo domingo de outubro, para permitir aos devotos amapaenses venerar Nossa Senhora no mesmo momento da festa dos paraenses. Pequenas mudanças foram sendo implementadas para melhorar cada vez mais a programação, que tinha a duração de 15 dias.

Durante muitos anos o Círio de Macapá cumpriu um rodízio de paróquias. A Cada ano uma igreja de um determinado bairro recebia a trasladação no sábado à noite e iniciava a procissão na manhã de domingo. Um dos mais longos ocorreu em 1991, saindo da igreja Cristo Bom Pastor, no bairro do Congós, até a Catedral de São José, com transmissão ao vivo da TV Amapá, aproveitando a passagem da procissão às proximidades da emissora.

Em 1990, Dom Luiz Soares Vieira, na época bispo de Macapá e hoje arcebispo de Manaus aprovou algumas novidades, como o Carmelo de Santa Terezinha para abrigar a pequena imagem da Virgem de Nazaré e durante quinze anos foi o local da saída da trasladação, com Santa Missa na igreja Jesus de Nazaré. Foi inserida a Berlinda, a carruagem que conduz a imagem, e um finíssimo manto bordado a ouro, oferecido pelas irmãs Carmelitas de Macapá e da Itália.

Neste período inicia também a tradição da Peregrinação das imagens, que representam a mãe de Jesus, passando por paróquias, comunidades, hospitais, escolas e outras instituições, como é feita até hoje. A programação do Círio na Capital do estado do Amapá, de fato começa com as peregrinações.

Dom João Risatti também implementou algumas mudanças, de acordo com a coordenação do Círio. Em 96 a grande procissão ganha um sistema de sonorização em todo o percurso fixo, com transmissão radiofônica, seguido até hoje: praça Nossa Senhora de Fátima, av. Cora de Carvalho, rua Hildemar Maia (a partir de 2006), av. Mendonça Furtado, rua Hamilton Silva, av. Presidente Vargas, rua Cândido Mendes, chegada em frente à antiga Catedral de São José, com aproximadamente 2,5 km.

Antes da procissão do Círio, às sete e meia da manhã, é celebrada a tradicional Santa Missa Solene, em um grande altar montado em frente à igreja de Fátima, bairro Santa Rita, presidida pelo Bispo, concelebrada por todos os padres e diáconos, contando com a participação de centenas de ministros extraordinários da Comunhão, cerca de duzentas pessoas na coleta das ofertas e dezenas de cantores e músicos, que animam a Liturgia. Em torno de 150 mil pessoas participam de Círio de Nazaré em Macapá.

Cada ano uma família diferente doa o manto da imagem de Nossa Senhora, após contato prévio com a coordenação da festa. A imagem da Mãe de Jesus recebe a indumentária na Missa da Trasladação, às sete da noite do sábado, véspera do Círio. Até 2005 esta celebração acontecia na pracinha da Igreja Jesus de Nazaré. Com a consagração da Nova Catedral, desde o ano passado a procissão noturna sai da rua General Rondon, no Centro, para a Igreja de Nossa Senhora de Fátima.

Outro símbolo do Círio é a Berlinda, aonde vai a imagem de Maria de Nazaré no decorrer da grande procissão, empurrada por integrantes da guarda da Santa. Este veículo especial também foi introduzido no Círio de Macapá, no início da década de 90, doado e cuidado pela tradicional família Araújo, seguindo o mesmo modelo de Belém, em agradecimento a uma graça alcançada. Antes, a imagem era levada no andor, em carro aberto. A decoração da Berlinda também é feita por voluntários, às vésperas da procissão, com flores especiais adquiridas em outros estados. Este ano a decoração deve ser feita com flores regionais.

Em 2005 surge a Guarda de Nazaré, um grupo formado por cerca de duzentas pessoas voluntárias, entre as quais, casais do ECC - Encontro de Casais com Cristo. Até então a guarda era feita por militares, que agora ajudam na segurança de todo o trajeto da caminhada. A nova guarda tem como principal missão proteger a imagem na Berlinda, cuidar da corda, de aproximadamente duzentos metros, e auxiliar os fiéis que disputam este espaço como forma de agradecer promessas alcançadas e estar mais perto da imagem da Santa, como manifestação de sacrifício que só a Fé explica.

Em 2005 a festa ganhou uma nova imagem de Maria de Nazaré, esculpida em madeira por um artesão do interior do Pará, trabalho acompanhado por Dom Pedro Conti e padre Paulo Lepre, coordenador da festa nos últimos anos. Após o Círio a nova estátua permanece na Nova catedral de São José, ao lado do padroeiro de Macapá. São 74 anos de manifestação religiosa, que também chegou a outros municípios do interior do Amapá, como em Santana, que realiza há mais de 40 anos o Círio na tarde do terceiro domingo de outubro.

Diferente de outras programações religiosas, o Círio inicia a parte litúrgica da festa. Após a procissão do segundo domingo de outubro, à noite começa o novenário em honra a Nossa Senhora de Nazaré, que ocorre durante uma semana, no horário da noite, encerrando com a Procissão das Luzes, o tradicional Recírio. Durante a programação religiosa também é realizado o Círio das Crianças, sábado à tarde e a festa social, na quadra da paróquia de São José, com sorteio de prêmios e vendas de iguarias, de acordo com a programação anual. Vale ressaltar que mais de mil pessoas são envolvidas diretamente na organização e realização do Círio, que mobiliza a Igreja e a sociedade amapaense durante vários meses.

(Oscar Filho - Pastoral da Comunicação)