Governo aposta na exploração sustentável da floresta para se desenvolver

O Governo do Amapá está decidido a explorar, de forma sustentável, os 2,3 milhões de hectares que o Estado tem de florestas. A atividade é apontada pelo secretário estadual de Planejamento, Haroldo Vitor de Azevedo Santos, como vital para os planos do governo de desenvolver a economia estadual, que hoje tem o Produto Interno Bruto (PIB) dependente do setor de serviços e orçamento incapaz de suprir as demandas de uma população de aproximadamente 600 mil habitantes.

E é através da exploração florestal e do desenvolvimento dos demais setores (primário e secundário), destaca o secretário, que o Estado quer ampliar suas fontes de receita. Atualmente, o governo amapaense trabalha com um orçamento de cerca de R$ 2 bilhões. A meta é alcançar os R$ 9 bilhões até 2011, recursos que ajudarão o Estado a oferecer melhores serviços à população e implantar infra-estrutura necessária ao desenvolvimento regional.

"Nossas florestas estão praticamente intactas e precisamos encontrar formas de utilizá-la racionalmente, em benefício da população. A exploração sustentável é a nossa saída, é a nossa vocação", destacou Haroldo Santos, em sua palestra no primeiro dia de seminário sobre o Projeto Arara da Superintendência da Zona Franca de Manaus (SUFRAMA) em Macapá, nesta quinta-feira (dia 25), no auditório do Museu Sacaca.

O Projeto é resultado do convênio da autarquia firmado com a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) para a revisão do planejamento estratégico da instituição para o período 2008-2011. O processo é conduzido por um grupo de pesquisadores, que está percorrendo as Capitais da área de atuação da Superintendência, a Amazônia Ocidental (Amazonas, Acre, Roraima e Rondônia) mais a Área de Livre Comércio (ALC) de Macapá e Santana para ouvir as demandas dos Estados.

O Amapá é o penúltimo a receber a equipe de especialistas e, aponta o coordenador geral de Estudos Econômicos e Empresariais da SUFRAMA, José Alberto da Costa Machado, a participação das lideranças locais tem sido expressiva. "A participação é fundamental porque é dela que sairão os debates, as informações sobre os avanços e desafios dos Estados na busca pelo desenvolvimento, radiografia que buscamos para revisarmos o plano de ação da autarquia para os próximos anos".

Além da secretaria de Planejamento, também participaram do primeiro dia de palestras a secretaria estadual de Ciência e Tecnologia, a Federação das Indústrias, Sebrae e a Universidade Federal do Amapá (Unifap). Na platéia, representantes da Prefeitura de Macapá, do setor acadêmico, produtivo e estudantes da Unifap. Nesta sexta-feira (dia 26), na sala de reunião da Secretaria Estadual de Planejamento, das 9h às 13h, representantes de instituições dos mais variados setores falarão sobre suas realidades e de que forma acreditam que a SUFRAMA pode ampliar parcerias.

Um último seminário do Projeto Arara ocorrerá em Manaus (AM), até os primeiros dias de dezembro. Após essa etapa, de consultas, será realizado um grande seminário com todos os Estados. A primeira prévia do novo plano de ações da instituição na região deverá sair em janeiro do próximo ano, com conclusão do documento prevista para abril de 2008, conforme explica o coordenador do Projeto Arara, Tadao Takahashi.

Hudson Braga