Unger quer desenvolvimento responsável da Amazônia

Brasília, 4/10/07 - A Bancada da Amazônia reuniu-se, nesta quarta-feira, 3, com o ministro de Assuntos Estratégicos Mangabeira Unger para tratar de políticas públicas à região. Unger sugeriu uma campanha para que a Amazônia Legal seja considerada prioridade máxima na definição das políticas do Governo Federal. Ele defende que a maior floresta tropical do mundo seja explorada de maneira sustentável. Ouviu dos parlamentares reclamações com relação à falta de investimentos federais na região e à carência de infraestrutura que possa, segundo eles, trazer progresso aos estados amazônicos.

Mangabeira, no entanto, preferiu tratar do tema a longo prazo, pesando os prós e contras de métodos que pretendem desenvolver a região. Durante toda a reunião, defendeu a consolidação dos conhecimentos e a tecnologia sustentável, com métodos de produção vanguardistas, que sejam diferentes do que considerou extrativismo primitivo, que destrói as riquezas naturais e insere culturas e métodos de produção estranhos à realidade local.

“Nem podemos transformar a Amazônia em um grande parque para o deleite da humanidade, nem transformar a região em um grande Mato Grosso produtor de soja. A alternativa é transformar a região em um laboratório de experiências biológicas e ambientais para encontramos um terceiro caminho”, defendeu. “A floresta em pé vale muito mais do que a floresta queimada”, arrematou Mangabeira Unger, para propor o manejo sustentável em regime comunitário, que considere a floresta uma propriedade social.

A deputada federal Janete Capiberibe (PSB/AP) lembrou o desenvolvimento promovido com a implantação do Projeto de Desenvolvimento Sustentável do Amapá - PDSA - entre os anos de 1995 e 2001. “Com a inovação tecnológica, é possível levar conhecimento e tecnologia às populações tradicionais para que possam agregar valor e se inserir na economia sem destruir a floresta. O estado deve ser indutor desse desenvolvimento”, afirmou a deputada socialista ao ministro Mangabeira Unger. “Estou junto nesta 'conspiração' que não é só para sonhar mas para transformar a realidade”, finalizou.

A parlamentar, que mostrou-se preocupada com regimes de produção importados do sul por que geram um falso desenvolvimento enquanto aniquilam os bens naturais e não promovem nenhum tipo de distribuição de renda às populações tradicionais - como a monocultura em grandes extensões de terra - entregou a Mangabeira Unger uma série de publicações que contam as políticas de desenvolvimento sustentável implantadas Amapá.

Na reunião, ficou exposto que nem todos os membros da bancada da Amazônia estão preocupados com o desenvolvimento e a sustentabilidade da região a longo prazo. Alguns limitam-se a defender que a região seja explorada por grupos econômicos, cujas ações são predatórias e que não têm compromisso com as populações locais e o desenvolvimento a longo prazo. A Bancada deverá realizar novas reuniões com o Ministro Mangabeira Unger que apresentou-se como um formulador de políticas para o Governo Federal.

Sizan Luis Esberci