Jurupary
Ente do mal. Demônio dos olhos de fogo que vive na floresta
Piracema
Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.

 

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

 

Pesquisa na Internet
faz professora vir
conhecer o Amapá

Uma pesquisa sobre o Amapá com dados disponíveis apenas na Internet, despertou tanto a curiosidade de uma educadora de São Paulo, que ela resolveu conhecer de perto o tema de sua pesquisa.

O Amapá foi tema e fonte de pesquisa para alunos da Escola Estadual Euclides da Cunha, na cidade de São José do Rio Pardo, interior de São Paulo. Em agosto de 2001 a escola decidiu pesquisar os 27 Estados brasileiros com o objetivo de realizar a "Feira dos Estados Brasileiros", ocorrida dia 17 de outubro do mesmo ano. Um sorteio colocou nas mãos da historiadora Eliana Gonçalves Simões Cremasco, a responsabilidade de pesquisar o Amapá.

O resultado da pesquisa exibida para mais de 3 mil pessoas durante a realização da Feira dos Estados, rendeu o 3º lugar para o Estado do Amapá entre os 27 trabalhos apresentados. O Estado da Bahia conquistou o primeiro lugar, o segundo ficou como Estado da Paraíba.

Internet

O trabalho elaborado pela educadora se baseou em dados disponíveis sobre o Amapá no site oficial do Governo do Estado, que concentra uma boa variedade de informações e estatísticas sobre as ações e projetos desenvolvidos pelo governo em parceria com a sociedade civil organizada. Segundo fontes do Processamento de Dados do Amapá (Prodap), responsável pela home-page, o site, criado em setembro de 1999, já recebeu cerca de 355 mil visitas, uma média de 400 por dia.

A educadora pesquisou pontos turísticos, cultura, população, economia, política, extrativismo, indústria e povos indígenas. "Fiquei fascinada com os pontos turísticos do Amapá exibidos pela Internet, então resolvi conhecer o estado pessoalmente", relatou Eliana Cremasco. Ela passou uma semana no Amapá, acompanhada do esposo Marcelo Cremasco. Os dois visitaram a Fortaleza São José de Macapá, o Sambódromo, o Mercado de Produtos da Floresta, o Monumento Marco Zero do Equador, a Área de Proteção Ambiental do Curiaú, o Trapiche Eliezer Levy, o Museu do Desenvolvimento Sustentável, Farmácia Viva de Fitoterapia, Casa do Índio e conheceram ainda a estrutura da Secretaria de Estado da Comunicação (Secom).

Destaque

Eliana Cremasco ressaltou que a aceitação do trabalho sobre o Amapá foi tão boa que a Escola Euclides da Cunha irá reapresentar a pesquisa dia 19 de março deste ano que coincidirá com o aniversário da cidade de São José do Rio Pardo, que completará 137 anos de fundação. A educadora relembra também que a pesquisa sobre o Estado do Amapá, cuja população não ultrapassa de 600 mil habitantes rendeu notícias em alguns jornais da cidade.