“A DÍVIDA PÚBLICA SUFOCA O PAÍS”

Brasília - Uma das mais expressivas lideranças nacionais do Partido Socialista Brasileiro, o senador Capiberibe defendeu - durante o 9º Congresso Nacional do PSB - a permanência do seu Partido no bloco de apoio ao Governo, “sem abrir mão, ao contrário, da postura crítica necessária para fazer avançar a luta social em nosso País”.

Nesse sentido, afirmou - em veemente discurso da Tribuna do Senado Federal, na sessão plenária desta 2.a feira ( 8 ) - a questão central da presente conjuntura “é a imensa dívida pública que vem desde o Governo Fernando Henrique e que continua a sufocar o nosso País no atual Governo Lula, com apenas R$7 bilhões para investir em 2004”.

O Congresso do PSB, lembrou Capiberibe, aprovou moção a favor da mudança da atual política econômica “concentrada, tal como no governo anterior, no pagamento do serviço de uma dívida que nos consome praticamente toda nossa capacidade de investimento público”. O resultado “é que não temos, absolutamente, nenhuma soberania econômica; esse é o problema central de nosso País e, por isso, o Congresso do PSB considerou, com acerto, que a atual política econômica é transitória”.

DESAFIO ESTRUTURAL

Todo o atual processo econômico, social e político está sendo subordinado à questão da dívida pública, afirmou o senador amapaense.

Como exemplos dessa dependência estrutural, citou: 1)- o aumento progressivo “e brutal” da carga tributária, inédito na maioria das economias industrializadas, já atingindo quase 40% do PIB; 2) - a dependência de recursos do FMI, inclusive, ao ponto de se fixar como diretriz estrutural da economia a realização de elevados superávits primários que estão impedindo a canalização de recursos para os programas sociais e investimentos; 3)- a venda do patrimônio das empresas estatais, para se fazer “caixa”.

Da mesma forma, continuou Capiberibe, as reformas da Previdência e tributária vêm sendo condicionadas pela necessidade fiscal e não por um balizamento realmente amplo e estrutural para a retomada do crescimento econômico e redução da exclusão social, considerando “a elevadíssima taxa de desemprego e o crescimento praticamente nulo do PIB neste ano”.

O Senado Federal, lembrou ainda, “também é responsável por esse debate, em busca de saídas para o nosso País”. Todos os empréstimos externos são firmados com a aprovação parlamentar, disse, “mas ainda nos resta a tarefa de construir mecanismos de controle desses gastos”. Citou, ainda, a necessidade de se lutar para que na reforma fiscal não prevaleça a desvinculação dos recursos obrigatórios para o setor educacional, “o que causará evidente atraso social ao País, com remanejamento de mais de R$3,6 bilhões”.

Por fim, Capiberibe enfatizou a necessidade de que o PSB, junto com o partido governista majoritário ( PT ), se unam para “discutir e buscar soluções a esse desafio da dívida que é o principal a ser enfrentado na atual conjuntura que vivemos”. A dívida pública “está nos condenando à indigência na área social e na administração pública”, finalizou, citando como exemplo o caso do Ministério das Relações Exteriores, sem recursos até para pagar a conta de luz de sua sede, na Capital Federal.


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.