Saúde lança serviço de atendimento domiciliar

O Governo do Estado realiza nesta quarta-feira, 11, às 10h, no auditório do Hospital de Clínicas, o lançamento do Serviço de Atendimento Domiciliar (SAD). O serviço estará funcionando no Hospital de Clínicas Dr. Alberto Lima e tem por objetivo dar ao paciente e seus familiares, que não podem se locomover até hospitais e unidades de saúde, um suporte de atendimento domiciliar. O novo serviço faz parte do programa de humanização, executado pelo governo nos hospitais do Estado.

O diretor do Hospital das Clínicas Alberto Lima (antigo Hospital Geral), Manoel Benjamin, adianta que o SAD visa a recuperação de pacientes submetidos a cirurgias e a outros tratamentos médicos na rede pública hospitalar. “O objetivo é garantir a rotatividade e, com isso, assegurar uma maior oferta de leitos aos usuários do sistema de saúde”, explica.

O programa consiste na assistência integral prestada no domicílio indicado pelo paciente convalescente ou por seus familiares, por uma equipe de saúde multiprofissional, especialmente treinada, durante o tempo necessário ao seu completo restabelecimento.

Aos pacientes convalescentes, quando carentes, deverá ser fornecida uma cesta contendo os alimentos indicados à sua correta alimentação, enquanto durar o tratamento. O hospital também providenciará toda a medicação, materiais, equipamentos e instrumentos necessários à execução dos procedimentos prescritos pelo médico do paciente.
”Esse é um serviço importante porque evita que um determinado paciente ocupe o leito por várias semanas ou mesmo meses, impedindo que outras pessoas que necessitam de cuidados médicos possam também ser internadas”, afirma.

No Brasil, a experiência pioneira de atendimento em domicílio que se tem registro é a do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo. A instituição vem desde 1968 oferecendo atendimento a pacientes no domicílio, com o objetivo de reduzir a necessidade de internação e o tempo de permanência hospitalar, procurando ampliar a oferta de leitos para casos cirúrgicos, quadros clínicos agudos e de maior gravidade.

Manoel Benjamin adianta que o atendimento domiciliar, além de humanizar a saúde, contribuirá também para evitar os casos de infecção hospitalar e acelerar o processo de recuperação do paciente pelo afeto e proximidade que ele terá com sua família. “Este é outro dado importante. Temos evidências claras que o doente se recupera melhor no seu próprio ambiente, cercado por pessoas queridas e em quem confia”, diz o diretor do hospital.

O SAD também propicia a redução de custos nas despesas de internação de usuários, em casos de doenças crônicas e outras patologias, tais como: doenças pulmonares, neoplasias, doenças infecciosas, degenerativas, neurológicas, patologias ortopédicas e cuidados pós-cirúrgicos.

Em todos esses casos, o procedimento além de evitar riscos de infecção hospitalar, contribui para otimização de leitos hospitalares e do atendimento ambulatorial a outros pacientes não-crônicos. Mesmo os pacientes que não estão em tratamento, recebem visitas periódicas para análise de sua recuperação, condições de moradia e reforço dos cuidados básicos.

Nessa etapa, o atendimento domiciliar revela-se um importante aliado da medicina preventiva, podendo, inclusive, ser selecionado um indivíduo da comunidade, acometido por quadros recorrentes, e oferecido a ele esse tipo de atendimento.

Para Cláudio Leão, secretário de Estado da Saúde, o SAD proporcionará aos pacientes portadores de doenças crônicas e degenerativas, um atendimento mais humanizado. “Teremos a utilização do leito hospitalar de forma racional, com programa de alta precoce, viabilizando um maior atendimento da demanda que necessita de procedimentos de média e alta complexidade”, informou.

O SAD funcionará através de contatos telefônicos e visitas periódicas da equipe multi-profissional, formada por médicos, enfermeiros, psicólogos, assistente social e técnicos de enfermagem, previamente agendadas. Todo paciente terá um número de matrícula no programa.
“O Serviço de Atendimento Domiciliar, não atenderá emergências. Para isso, o paciente deve ir ao hospital de emergência ou posto de saúde mais próximo. Em caso de necessidade, o paciente poderá ser reinternado no hospital, desde que haja indicação do SAD”, disse o diretor do Hospital das Clínicas, Benjamin Barbosa.

O serviço funcionará de segunda a sexta-feira, no horário das 7 às 10h, através do telefone 212-6130. Das 19 às 7h, sábados, domingos e feriados, o serviço funcionará através do telefone 212-6127.




Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.