Preconceito com profissionais acima dos 40 anos

*Luciana Costa

Um País que se diz em desenvolvimento, o Brasil precisa de uma avaliação “urgente” a respeito de como estão tratando seus trabalhadores. A realidade que se encontra no momento e desanimadora, já que existem mais de milhões de trabalhadores que deveriam está no mercado de trabalho, mas não estão por puro preconceito a sua idade. Ser um quarentão no Brasil e sinônimo de velhice. Mas neste quesito há uma dicotomia, ter 40 anos e ser velho para o mercado de trabalho e novo demais para se aposentar no INSS, então como é que fica?

O trabalhador brasileiro vai de vaga em vaga atrás de uma oportunidade que se encaixe na sua faixa de idade. É uma vergonha fazer parte de uma sociedade que julga seus cidadãos por idade e não por acumulo de conhecimento. A experiência destes profissionais deveria ser valorizada, mas não é o que se observa. Há empresas que ao recrutarem seus funcionários, a idade está em primeiro lugar, acima de experiência profissional, idoneidade, escolaridade, cursos e outros. Como conviver com pessoas que estão à procura de trabalho com mais de 40, sem sentir uma certa angustia, é difícil dizer aos seus familiares que você está velho demais para certas vagas. Até quando o trabalhador tem que se humilhar para ter um trabalho digno? Está pergunta soa como eco na mente de quem tem 40 anos.

Recentemente, uma conceituada revista de circulação nacional publicou na seção Economia e Negócios, uma matéria sobre o caos instalado numa indústria de brinquedos tradicional no mercado brasileiro, que resolvera afastar todo o seu corpo dirigente alegando que a faixa etária alta poderia ser um dos motivos para a resistência a mudanças, optou-se por admitir novos talentos e dispensar os velhos colaboradores, gerando indignação por todos que nela trabalham.

Até quando veremos noticias como está sendo vinculada na mídia como uma solução aos problemas de certas empresas. Os nossos quarentões estão sendo despachados como quinquilharias ou outros objetos que não se quer mais. As empresas querem alguém de 25 anos com experiência de 40. O Brasil tem que acordar para isso! Se não, seremos sempre um País à procura de um desenvolvimento.


*Luciana Maravilha Santis Costa, 34, estudante de Jornalismo, cursando o 4 semestre na faculdade Seama