PAUTA

Acontece amanhã, 11 de setembro, às 9:30h, no Plenário da Câmara dos Deputados, sessão solene em homenagem à memória de Salvador Allende, Presidente eleito do Chile e morto durante o golpe militar chefiado pelo general Augusto Pinochet, em 1973, requerida pela deputada Janete Capiberibe, do PSB do Amapá e Chico Alencar, do PT do Rio de Janeiro.

Deverão estar presentes membros da comunidade chilena no Brasil, em especial o Embaixador do Chile, Osvaldo Puccio e brasileiros que se asilaram sob a proteção do regime democrático chileno, à época de Allende, entre outras autoridades e representantes de entidades.

Janete Capiberibe também esteve asilada no Chile, acompanhada do marido, senador João Capiberibe e de três filhos, durante o golpe militar.

Família Capiberibe asilada no Chile

Naquela época, o Brasil vivia a ditadura militar e a deputada Janete Capiberibe, seu esposo, hoje senador Capiberibe, eram perseguidos e membros da ALN, liderada por Carlos Marighela, dissidência do Partido Comunista Brasileiro. Grávida de oito meses, foi presa junto com meu marido. Conseguiu planejar e executar a fuga de Capiberibe do presídio São José, em Belém, fugindo pela matas e pelos rios da Amazônia e passando pela Bolívia, Peru e Chile, chegando nesse último às vésperas do Natal, em 24 de dezembro de 1971, na cidade de Santiago, onde se encontravam outros companheiros também exilados. Nessa época, os Estados Unidos apoiava os golpes militares na América Latina e já articulavam contra o governo de Salvador Allende.

Ali viveram, fixados como camponeses, estudando Engenharia da Execução Agrícola, curso criado para acelerar a reforma agrária no governo democrático de Salvador Allende, na Universidade do Chile. Lá, nasceram seus filhos gêmeos Camilo e Luciana.

Todos os cidadãos e cidadãs que sofriam com a ditadura, no Brasil e em outros países da América do Sul e do mundo, foram recebidos e abrigados no Chile de Allende.

No dia 11 de setembro de 1973, às sete horas da manhã, na rádio Magallanes, se ouvia a voz do presidente, transmitida direto do Palácio de La Moneda, dizendo que dali não sairia. As Forças Armadas Chilena - cerca de 60 mil homens - comandados pelo general Augusto Pinochet, com o apoio dos Carabineiros - 30 mil homens, realizou um dos mais sangrentos e violentos golpes militares da história latino-americana, onde morreram mais de três mil pessoas e outras tantas mil desapareceram.

O Presidente Salvador Allende, eleito dois anos e dez meses antes, viu-se sitiado no Palácio de La Moneda pelas tropas e pela aviação golpista e ali foi assassinado juntamente com vários companheiros.

Tel: (61) 318-1223 / 318-3223
Rosilã Jaques Pereira - Assessora de Imprensa



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.