Procon vai incentivar a criação
de Núcleos de Defesa
do Consumidor nas escolas

A criação de Núcleos Estudantis de Defesa do Consumidor é uma das propostas levantadas pelo Instituto de Defesa do Consumidor (Procon), no Amapá. A idéia está sendo discutida durante palestras sobre direitos do consumidor que estão sendo ministradas por equipes do Procon a estudantes da rede pública estadual.
A campanha, agora intitulada “Procon Semeando Direitos”, pretende até o final do ano percorrer várias escolas. A primeira que recebeu a visita dos técnicos do órgão foi a Escola Estadual José de Alencar, no bairro Nossa Senhora do Perpétuo Socorro na semana passada.

De acordo com a agenda do Procon, a próxima palestra será na sexta-feira, 14, na Escola Estadual Barroso Tostes, em Santana, a partir das 14h. Na quarta-feira, 19, será a vez da Escola Estadual Margarida Rocha, no Distrito do Igarapé da Fortaleza, às 19h. Sexta-feira, 21, será na Escola Estadual Alexandre Vaz Tavares, em Macapá. Nesta escola, a palestra ocorrerá nos horários da manhã e da tarde. A Escola Alexandre Vaz Tavares será a primeira da rede pública a criar o Núcleo Estudantil de Defesa do Consumidor.

Formado pelos próprios alunos, uma das tarefas do Núcleo Estudantil será a realização de pesquisas de preço, que vai balizar os consumidores sobre os estabelecimentos que vendem mais barato. Para Mauro Sérgio Moraes Barros, que integra a equipe de palestrantes do Procon, a partir do momento que os alunos consumidores se organizam e passam a visitar supermercados, lojas, açougues, magazines, shoppings, entre outros, a tendência natural é forçar a queda nos preços incentivando a livre concorrência de mercado.
A palestra leva informações básicas sobre os direitos do consumidor que vai desde a troca de mercadorias, prazo de validade, obrigatoriedade da emissão da Nota Fiscal e os cuidados que os consumidores devem ter ao contratar serviços de terceiros.

Após a série de palestras nas escolas públicas, o próximo alvo do Procon será as associações de moradores, sindicatos ou qualquer outras instituições que trabalhem com a sociedade civil organizada.
A intenção do Procon é reduzir as infrações cometidas pelo comércio local contra os consumidores massificando os direitos contidos nas leis do Código de Proteção e Defesa do Consumidor. Ruzo de Jesus Pontes da Silva, diretor-presidente do Procon, garante que muitos consumidores não têm acesso às informações e acabam prejudicados por desconhecerem seus direitos. “A campanha ajudará as pessoas a conhecerem melhor esse código”.
As palestras são reforçadas com a distribuição de folders, cartilhas, a projeção de slides e até ilustração em data-show, que alerta as pessoas para uma postura mais consciente dos seus direitos.
O Procon, em Macapá funciona na avenida FAB, 380, no Centro. Qualquer cidadão consumidor que se sentir lesado poderá ligar para telefones: 217 - 0000/ 217 -0003/ 217- 0010

EDY WILSON SILVA


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.