Waldez espera empréstimos internacionais
liberados no início de 2005

O governador Waldez Góes pediu empenho da equipe de governo no cumprimento das recomendações do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), para vencer as etapas que antecedem a liberação do empréstimo de US$ 70 milhões ao Amapá.

A recomendação foi feita nesta quarta-feira, 11, durante encontro de trabalho que reuniu no Palácio do Setentrião os técnicos da missão do BID, que está no Amapá desde o início da semana, prefeitos, secretários de Estado e dirigentes de estatais. Góes disse que é preciso cumprir os compromissos “rigorosamente dentro dos prazos” estabelecidos tanto pelo BID quanto pelo Bird (Banco Mundial), que também já aprovou Carta Consulta do Amapá para liberação de empréstimo da ordem de US$ 6,8 milhões.

Os primeiros contatos com as instituições financeiras internacionais se deu ainda quando Góes era o governador eleito, no final de 2002. No primeiro ano de governo algumas etapas foram cumpridas, entre elas, a elaboração de um diagnóstico completo na área de saneamento em todo o Estado, e a criação de uma unidade de gerenciamento para os projetos do BID e do Bird dentro da Agência de Desenvolvimento do Amapá (Adap). Na semana passada, a Assembléia Legislativa aprovou a autorização para que o Estado possa contratar o empréstimo.

“Nesta terceira missão do BID ao Estado, nós estamos fazendo o nivelamento institucional. Além de todos os estudos e reuniões de trabalho que a equipe do BID está realizando, nós também reunimos com as prefeituras envolvidas no projeto, onde o Estado, junto com os municípios, terá uma equipe de trabalho e tecnicamente cada prefeitura terá sua representação, para que não haja nenhuma incompatibilidade no planejamento e na execução dos projetos que dizem respeito à gestão ambiental urbana”, explica o governador.

A missão do BID e o governo trabalham na instalação das câmaras técnicas encarregadas de detalhar os projetos que receberão os recursos a partir do ano que vem. O chefe da missão do BID, o brasileiro Hugo de Oliveira, disse ao governador Waldez Góes que os últimos três dias de trabalho no Amapá foram bastante produtivos e que há a sensação de um comprometimento institucional mais efetivo. “Saio com a sensação de que todos os compromissos serão duradouros, o que culminará com a construção de uma agenda de trabalho mais efetiva”, afirmou.

O prefeito de Macapá, João Henrique Pimentel (PT), disse que os investimentos na capital prioritariamente devem ser direcionados aos canais de macro-drenagem com o revestimento e a urbanização de suas marginais. “É muito difícil arrancar recursos do governo federal. Acho que esta parceria está acima de interesses pessoais e políticos”, avalia.

Góes está otimista e acredita que até o final do ano os processos de licitação devem estar bem encaminhados. “É possível que a gente já comece a organização das licitações - obedecendo rigorosamente o que estabelece os procedimentos do BID - no final do ano, e a partir de 2005 podemos começar a receber os recursos para a realização da gestão ambiental urbana no Estado”.

Na próxima sexta-feira, 13, a agenda final de trabalho deverá ser concluída com a assinatura de um termo de compromisso envolvendo o BID o governo do Estado e as prefeituras de Macapá, Santana e Laranjal do Jarí, que serão atendidas pelos projetos.


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.