Ordem de Serviço para obras
do aeroporto de
Macapá será assinada dia 26

No próximo dia 26, o presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), Carlos Wilson Campos, estará em Macapá, para assinatura da Ordem de Serviço que vai permitir o início das obras de construção do novo Aeroporto Internacional de Macapá.

A comunicação a respeito da viagem e da assinatura da Ordem de Serviço foi feita por Campos ao governador Waldez Góes, responsável pelas iniciativas que viabilizaram a assinatura de convênio entre Infraero e Governo do Estado, para realização das obras no aeroporto amapaense.

Ao ser assinado, em maio de 2003, o convênio tinha valor estimado em R$ 95.221.580,00, hoje correspondendo a aproximadamente R$ 113 milhões. Ele estabelece as atribuições da Infraero e do Governo do Estado no conjunto de obras que serão realizadas no Aeroporto e área de entorno.

Entre os serviços que serão de responsabilidade da Infraero estão a implantação do terminal de passageiros, ampliação do estacionamento de veículos, do pátio de aeronaves e da área destinada a equipamentos de rampas, urbanização e disponibilização de área para implantação das atividades das companhias aéreas, comissaria e correio e de área para a implantação de atividades comerciais, correspondendo ao ajuste do sistema viário de acesso.

A adequação do Terminal de Cargas, com toda a infra-estrutura necessária (pavimentação, calçadas, sinalização viárias, drenagem, iluminação pública, rede elétrica, redes de telecomunicações e paisagismo), também será de responsabilidade da Infraero, assim como a construção de novo acesso viário interno. O valor da participação da Infraero no convênio foi estimado inicialmente em R$ 78.221.580,00, o que corresponde a 82,15% do valor geral.

Caberá ao Governo do Estado, como contrapartida no convênio, as obras de pavimentação e sinalização da Rua Hildemar Maia e da Avenida Nações Unidas, nos trechos que dão acesso principal ao aeroporto; a urbanização e saneamento da área de ressaca do canal no entorno do mesmo; a implantação de via expressa para transporte de cargas do aeroporto à Rodovia Duque de Caxias (Macapá/Santana) e a duplicação desta rodovia até o Distrito Industrial de Santana. A contrapartida financeira estadual foi estimada inicialmente em R$ 17 milhões, correspondendo a 17,85% do total da obra.

O convênio registra, também, uma parceria para instalação e manutenção de um balcão de atendimento ao turista dentro do terminal de passageiros, policiamento ostensivo da área pública do aeroporto, operação dos serviços de salvamento e combate a incêndio, instalação de posto do Juizado de Menores e ação conjunta para viabilizar linhas de ônibus entre o aeroporto e a cidade.

Atualmente, segundo dados da Infraero, o Aeroporto de Macapá atende mais de 300 mil pessoas por ano, o dobro de sua capacidade. O prazo estimado para conclusão das obras é de cinco anos.

Marcelo Roza




Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.