Newton Lucena assume direção
da Embrapa Amapá em fevereiro


Os desafios impostos pelo ecossistema amazônico no desenvolvimento de pesquisas agropecuárias irão delinear os trabalhos do pesquisador Newton de Lucena Costa por pelo menos mais dois anos frente à chefia geral da Embrapa Amapá (Macapá-AP), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Chefe geral da Embrapa Rondônia (Porto Velho-RO) desde março de 2001, Lucena tem como referência em sua atuação a conciliação entre o desenvolvimento do agronegócio à preservação ambiental. O pesquisador assume o cargo na Embrapa Amapá a partir de primeiro de fevereiro de 2005. Na Embrapa Rondônia, o edital do processo de recrutamento e seleção do novo gerente será aberto no próximo dia 25.

A Amazônia é fonte de estudos do pesquisador desde 1991, época que ocupou o cargo de chefe adjunto técnico da Embrapa Rondônia. Como chefe geral, sua primeira experiência foi na Embrapa Acre (Rio Branco-AC), permanecendo na função por dois anos. No período de 1998 a 2000 exerceu o cargo de chefe geral da Embrapa Amapá. Em 2001, assumiu a chefia da Embrapa Rondônia e em 2003 foi reconduzido ao cargo por mais dois anos pela Diretoria da Embrapa. De 37ª colocada em 2000 no quesito produção técnico-científica - são 40 Unidades da Embrapa espalhadas por todo o país, além da Embrapa Sede, em Brasília, e os escritórios de negócios - a Embrapa Rondônia alcançou a 11ª posição em 2003.

Entre as Unidades da região Norte, Rondônia ocupa a primeira posição desde 2001. "Na Amazônia, a pesquisa agropecuária torna-se um imperativo para proporcionar as bases para o desenvolvimento de atividades agrícolas compatíveis com o meio ambiente e a socioeconomia regional. Para tanto a fronteira de conhecimentos sobre os recursos naturais e de tecnologias agropecuárias devem ser ampliadas e aprofundadas", revela o pesquisador.

Os resultados positivos ao longo dos anos, continua, "são resultados da intensificação das atividades de pesquisa e desenvolvimento, além da dedicação de profissionais capacitados", completa o gerente.

PERFIL - Newton de Lucena, 45 anos, é natural de Campina Grande (PB) e formado em engenharia agronômica e zootecnia pela Universidade Federal do mesmo Estado. Possui uma vasta produção técnico-científica, representada por mais de 800 trabalhos publicados em revistas e anais de congressos nacionais e internacionais. Em 1987, recebeu o Diploma de Excelência Profissional da Embrapa e Moção de Reconhecimento por Serviços Prestados concedido pela Assembléia Legislativa de Rondônia. Em 2002, foi agraciado com moções de aplausos conferidas pelas Câmaras Municipais de Theobroma e Jaru, municípios do interior do Estado. Possui título de mestre em agronomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. No período de 1995 a 2004 exerceu o cargo de Diretor Estadual da Sociedade Brasileira de Zootecnia nos Estados do Amapá e Rondônia.

Lucena é concursado da Embrapa desde 1984. Já atuou como pesquisador na Embrapa Amapá, Embrapa Acre, Embrapa Cerrados (Brasília-DF) e Embrapa Rondônia. O concurso para chefe geral é composto por três fases: apresentação da proposta de trabalho, análise curricular e análise de perfil gerencial por consultoria especializada, contratada pela Embrapa.

O processo foi iniciado em setembro de 2004, sendo a divulgação final dos resultados realizada em dezembro. Newton de Lucena acredita que a atividade agropecuária sustentável deve assegurar a permanência de uso de uma mesma área espacial na Amazônia, com padrões de produtividade crescentes, tanto da terra quanto da mão de obra. "Desse modo será possível reduzir a intensidade de novas áreas de florestas ao processo de produção", explica.

Amapá possui identidade própria

O ecossistema do estado do Amapá é composto em sua maioria por florestas de terra firme, seguido pelos cerrados e várzeas do estuário amazônico. Entre os sistemas produtivos destacam-se as culturas anuais (arroz, feijão, milho e mandioca destinados ao consumo familiar e ao mercado interno estadual), a olericultura (com destaque para as folhosas e alguns tubérculos, como a macaxeira e a batata-doce), a fruticultura, as culturas industriais (dendê, seringueira e pimenta-do-reino), cultivos florestais, pecuária (destaque para o rebanho crescente de bubalinos), sistemas agroflorestais e extrativismo. As principais atividades de pesquisa executadas pela Embrapa Amapá são voltadas para o extrativismo, manejo de açaizais, grãos, fruticultura tropical, fitossanidade, manejo florestal sustentável, fertilidade de solo e sistemas agroflorestais.

Para Newton de Lucena os desafios frente à Embrapa Amapá são grandes já que o Estado apresenta uma realidade bastante diferente, se comparada a de Rondônia. "O setor agropecuário apresenta-se em fase de fortalecimento e consolidação. A sustentabilidade, sob os aspectos social, econômico e ambiental, é a principal diretriz para as pesquisas", afirma. A Unidade conta com 20 pesquisadores e, se considerado o isolamento geográfico que dificulta o intercâmbio de informações e conhecimentos aliado à falta de treinamento dos recursos humanos e à própria carência de pessoal, na visão do pesquisador, são elementos que provocam a necessidade de um trabalho de reconstituição e manutenção da Unidade em todas suas áreas de atuação.

As diretrizes em pesquisa e desenvolvimento, segundo ele, serão concentradas em executar ações que promovam o aumento da oferta e qualidade dos produtos de origem animal e vegetal, tendo em vista os impactos ambientais e socioeconômicos dos principais sistemas de uso da terra praticados no Estado. Em relação aos ambientes interno e externo da Unidade, o gerente prevê a monitoração dos dois universos, de forma a contribuir para o processo de definição de estratégias para as demandas político-institucionais, promovendo a capacitação e comprometimento do pessoal de apoio técnico nas atividades de comunicação social e transferência de tecnologias. "Um dos objetivos é articular maior participação da Unidade nas políticas agropecuária, florestal e ambiental em consonância com os programas de instituições de desenvolvimento e proteção ambiental, públicas e privadas", descreve Lucena.

O foco de sua administração será a busca de uma gestão orientada pelos princípios da qualidade total, estruturada por processos e com avaliação de resultados, além de implantar mecanismos de planejamento, administração e acompanhamento das atividades por meio de sistemas de gerenciamento adequados. "É essencial internalizar a missão e objetivos do Centro, assim como fortalecer sua imagem perante a sociedade. Para isso é necessário promover a capacitação gerencial e técnica dos recursos humanos, enfatizando a reciclagem e o aperfeiçoamento do pessoal de apoio técnico-administrativo na busca da gestão pela qualidade total", explica. Mais informações sobre o processo de transição entre as chefias das Unidades da Embrapa podem ser obtidas junto à assessoria de comunicação social da Embrapa Rondônia pelo telefone (69) 225-9387 ou pelo e-mail [email protected] .

: Guilherme Ferreira Viana




Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.