Farra parlamentar à custa da União

Em missões oficiais da Câmara, deputados visitam praias paradisíacas e acompanham torneios de futebol no exterior Hugo Marques RASÍLIA - Banquetes nos Estados Unidos, visitas a praias de ''areia branca'' na Itália, passeios por Buenos Aires. Tem de tudo um pouco nas viagens dos parlamentares ao exterior, as chamadas ''missões oficiais'' da Câmara. Que o digam os relatórios redigidos pelos viajantes.

Há casos de relatórios conflitantes, nos quais um parlamentar desmente outro que esteve na mesma missão. O caso mais flagrante é o de uma viagem a Buenos Aires.

Presidente da Comissão Conjunta do Mercosul, o deputado Doutor Rosinha (PT-PR) foi à Argentina em novembro do ano passado participar da 2ª Jornada de Direitos Humanos. No relatório entregue à Câmara, Rosinha denunciou que foi ''cobrado pela ausência'' no evento de um colega, o representante da Comissão de Direitos Humanos, deputado Ênio Bacci (PDT-RS), que, no entanto, viajou junto.

Bacci entregou à Câmara um relatório genérico de 12 páginas no qual jura ter participado do encontro. ''O evento mostrou-se muito produtivo, no que concerne aos temas abordados e à qualidade das palestras proferidas'', escreveu o parlamentar pedetista.

- O Ênio Bacci não foi ao encontro. Eu estive lá, participei da mesa redonda e digo que ele não compareceu. Ao ser designado para uma missão oficial, o parlamentar tem que cumpri-la - ataca Doutor Rosinha.

Bacci explica que pagou as passagens ''com recursos próprios''. É verdade, mas ele mesmo admite que a Câmara pagou duas diárias, cada uma de US$ 320, perfazendo um total de R$ 1,8 mil. Questionado se realmente esteve no encontro, Bacci recorre a outro argumento:

- Não palestrei no evento, mas participei como acompanhante - justifica-se
Bacci.

As missões oficiais de parlamentares ao exterior incluem até jogos de futebol.
O deputado Marcus Vicente (PTB-ES) recebeu passagens e cinco diárias de US$ 350 (um total de R$ 5 mil em hospedagem) para assistir na Itália aos jogos da Copa Carnevale. No relatório, Vicente faz um relato sobre uma praia de areia branca da cidade de Viareggio. ''Muitas discotecas e bares ao longo das praias são alguns dos lugares preferidos pelos nossos estudantes que assim acabam conhecendo jovens italianos'', descreve o deputado.


Um dos times que disputaram o torneio em Viareggio foi a Desportiva Capixaba, do Espírito Santo, time da terceira divisão no futebol brasileiro. Marcus Vicente é presidente da Federação de Futebol do Estado do Espírito Santo e recebeu dinheiro da CBF para sua campanha eleitoral.

- A Confederação não tem condições de pagar. Não acho antiética a viagem. O futebol faz parte da nossa cultura - justifica Marcus Vicente.

O deputado Bispo Vieira Reis (PMDB-RJ) optou pelos Estados Unidos. Em uma viagem com diárias de R$ 5,7 mil, o parlamentar, que na biografia se diz ''sacerdote'', foi à cidade de Hileah Gardens, em Miami. Depois de um ''banquete'', o deputado teve encontro com o vereador Luciano Garcia para saber ''como funciona uma Câmara Municipal''. A agenda incluiu vistas ao xerife local, ao chefe de cerimonial de prefeitura e aos bombeiros. Vieira Reis não retornou telefonema para falar sobre sua viagem.

O levantamento de programações da Câmara mostra que, de outubro do ano passado até junho próximo, os deputados deverão completar 91 viagens em missões oficiais ao exterior e 42 dentro do país. Em outras 70 viagens de missões internas, a Câmara está mandando servidores.

Os locais preferidos dos deputados são os Estados Unidos (28 viagens), o México (10), a Itália (9) e a Espanha (6). A duração das estadas costuma ser diretamente proporcional à sofisticação dos passeios. As viagens para a
Espanha duram em média 8,6 dias, enquanto a permanência é de oito dias na Itália e 9,7 em Portugal 9,7. No México, os deputados ficam 5,6 dias e, na Colômbia, quatro dias. Para o Peru, consta apenas uma viagem de três dias.

São várias as missões oficiais a feiras de turismo e eventos internacionais.
Os deputados Ciro Nogueira (PP-PI), Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e Robson Tuma (PFL-SP) foram aos Estados Unidos conhecer uma feira de helicópteros.

Muitas vezes, os deputados entregam relatórios com o mesmo texto. Os deputados Beto Albuquerque (PSB-RS), Aníbal Gomes (PMDB-CE) e Pedro Chaves (PMDB-GO), que gastaram cinco diárias de US$ 350 cada e passagens pagas pela Câmara, foram à Itália e, em relatórios idênticos, fizeram referência a um encontro com o embaixador Itamar Franco, dando ênfase a um pedido do anfitrião: ''O senhor embaixador fez uma solicitação ao grupo parlamentar para requerer à empresa aérea Varig a retomada da rota Roma/Brasil, pois hoje só existe vôo direto do Brasil para a cidade de Milão'', escreveram os deputados.

A Câmara também recebe relatórios bem detalhados destas viagens. Em um deles, o servidor Alexandre Rocha Rios Neto discorre sobre sua participação na 1ª Feira do Livro da Cidade de Joinville, que custou aos cofres públicos sete diárias de R$ 1,3 mil cada. ''Ficou claro o alto grau de desconhecimento do papel da Câmara e de suas atividades parlamentares e administrativas'', informou Neto.


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.