Surfistas vão tentar quebrar recorde de
permanência sobre a onda da pororoca.

Pela terceira vez a cidade de Cutias, na região do Araguari, distante cerca de 135 quilômetros de Macapá, sedia uma etapa do Circuito Nacional de Surf na Pororoca. A primeira foi em 2001 com a realização do I Encontro de Surfistas de Pororoca. De lá pra cá, com a massificação das competições em São Domingos do Capim, no Pará, o surf na pororoca do rio Araguari passou a ser a vitrine dessa mais nova modalidade de esporte radical.

Na competição, o Amapá será representado pelos surfistas Francisco Pinheiro, o “Chico” e Stanley Gomes. Chico foi um dos grandes incentivados do esporte ainda em sua fase inicial, chegando até a patrocinar alguns eventos e agora virou competidor. Já Gomes foi o representante do Estado que conseguiu a melhor colocação ficando em quarto lugar no ano passado.

“Fui a grande surpresa porque eu só conseguir treinar seis meses, enquanto os outros treinam o ano inteiro. Este ano acredito num bom. Com certeza vou entrar na briga para quebrar o recorde”, disse. Gomes foi o vencedor da seletiva do primeiro dia. Ele foi o único que conseguiu surfar a onda. Na segunda fase ele foi eliminado pelo bicampeão da pororoca, o paraense Sandro Rogério. Mas o título ficou com o paranaense Gil Cordeiro.

Este ano o ponto alto da competição acontecerá no dia 17. Neste dia será tentada a quebra do recorde de permanência na onda da pororoca. A marca — 26min03s — foi estabelecida pelo cearense Adailton Mariano, que pegava sua primeira pororoca. Na competição feminina, a vencedora na competição bodyboard foi a paulista Carolina Casemiro.

O campeonato de surf na pororoca é um evento de regras e formato diferentes, por se tratar de uma onda que aparece uma vez ao dia e dura cerca de uma hora. Diferente dos campeonatos brasileiros cujas notas variam de zero a 10, na pororoca as notas vão de 10 a 20 pontos.

Segundo Marcelo Bibita, um dos organizadores do evento e ex-recordista por maior tempo surfando a pororoca, se o surfista conseguir “dropar” a onda já ganha um 10, por se tratar de uma onda difícil de pegar e muito especial.

Depois da divulgação feita pela imprensa nacional, a surfar na pororoca do rio Araguari passou a ser a onda mais cobiçada do mundo, segundo afirmam os próprios surfistas que participam da competição. No Amapá, diferente do Maranhão e do Pará, a onda é mais extensa em volume e altura chegando a medir entre três a cinco metros com duração média entre 20 a 30 minutos.

Nesse espaço de tempo a onda chega a percorrer 30 quilômetros por mais de uma hora e meia. As principais ocorrências da pororoca acontecem próximo à Fazenda Redentor (margem direita) e do Sítio Paraíso (margem esquerda) até a foz do Rio Araguari.

Joel Elias

 


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.