Magistrados promovem mobilização
contra a reforma da Previdência.

Na próxima segunda-feira, dia 16 do corrente, magistrados de todo o Brasil participarão, simultaneamente, do "Dia Nacional da Mobilização em defesa da Previdência Pública". O evento é promovido pela Associação dos Magistrados Brasileiros - AMB, em parceria com outras entidades de caráter nacional e visa debater os efeitos da Reforma da Previdência, em curso no Congresso Nacional, sobre a magistratura brasileira.

Em Macapá, a Associação dos Magistrados do Estado do Amapá - AMAAP, engajada no movimento nacional, promoverá uma palestra/debate, com a participação do procurador do Instituto Nacional de Previdência Social no Estado - INSS, José Carvalho dos Santos. O evento, aberto ao público e à imprensa, será realizado às 16 horas no plenário do Tribunal de Justiça do Estado, com a presença de todos os magistrados Estaduais.

"Após a palestra, em que o procurador detalhará todos os aspectos da reforma, promoveremos um amplo debate sobre a grave situação que poderá redundar essa emenda constitucional para toda a magistratura brasileira", disse o presidente da AMAAP, juiz Marcos Vinícios Quintas, esclarecendo que o ideal "seria a organização de um grande ato público, mas, infelizmente não há tempo suficiente para isso".

A magistratura brasileira, há algum tempo, vem se manifestando publicamente contra a Reforma da Previdência da forma como ela está sendo proposta pelo Governo. Há duas semanas, presidentes de Tribunais de Justiça, reunidos em Brasília divulgaram nota em forma de "Denúncia à Nação", na qual classificam alguns dispositivos do projeto, como "uma grave ameaça que paira sobre a magistratura Estadual, responsável por 70% da prestação jurisdicional praticada no País. No próximo dia 17 presidentes de todos os tribunais de justiça do país se reunirão com o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Maurício Corrêa para debater o assunto. A convocação dos magistrados para essa reunião foi feita durante o discurso de posse de Corrêa no STF, ocasião em que ele também manifestou sua preocupação com as conseqüências da reforma "Seria, entretanto, omisso se não deixasse expressa, aqui e agora, a preocupação que me assalta a propósito das profundas modificações que se pretende introduzir no regime remuneratório e previdenciário da magistratura nacional, que passariam a ter parâmetros distintos do que até aqui estabelecidos.

Assim como os militares, que se constituem servidores públicos especiais, dá-se o mesmo com o juiz. Impedido pela Constituição de exercer outras atividades, senão uma de magistério, vive essencialmente de seus subsídios", afirmou o ministro. ( TJAP)

 


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.