Missão do Banco Mundial vem
ao Amapá analisar projetos

Uma equipe do Banco Mundial (Bird) e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) desembarca na segunda-feira em Macapá para uma missão de três dias. A delegação, formada por quatro pessoas, virá para avaliar e discutir os projetos que constam na carta consulta assinada pelo Governo do Estado com as duas instituições.

Os projetos estão sendo analisados pelo Confiex.

Na delegação vêm o diretor do Banco Mundial para o Brasil, Vinod Thomas, e os técnicos Josef Leitmann (representante do BID), Hugo de Oliveira e o especialista em Gestão Pública, Yasuhiko Matsuda.

O desembarque está marcado para às 13h 30 no Aeroporto Internacional de Macapá. Além da equipe do Governo do Estado, a delegação também manterá contato com técnicos da Prefeitura de Macapá e de outras instituições envolvidas nos projetos elaborados para análise.

“O Governo do Amapá em sua gestão das políticas integradas e no compartilhamento dos recursos públicos, busca com esses projetos melhorar as condições de vida populações rurais do Estado, criando capital social capaz de fixar o homem no campo. Esses projetos são uma alternativa de amenizar a pobreza nas zonas rural e urbana do nosso Estado”, explicou o diretor-presidente da Agência de Desenvolvimento do Amapá (Adap), Edmar Ney Lourinho Magno.

A parceria com o Bird foi firmada depois de concluído um diagnóstico social no Estado. O Estudo revelou a existência no Amapá de altos índices de pobreza nas áreas urbana e rural de Macapá, Santana e Laranjal do Jari.

Antes de assumir o governo, ainda no período de transição, o governador Waldez Góes reuniu com os representantes do Bird que visitavam o Estado na Ocasião e solicitou que fossem aumentados os recursos previstos para que os projetos fossem ampliados. A previsão é de que esses recursos cheguem a R$ 19.867.709,00.

A Carta Consulta que estará sendo discutida contempla quatro ações: “Sub-projetos de Desenvolvimento Urbano Comunitário”, “Crédito Individual e Coletivo”, “Projeto para a Zona Rural”, que prevê doações à associações e classes de etnias como, indígenas, remanescentes de quilombos, grupos de mulheres e grupos de jovens).

A última ação prevista é a de “Gestão e Funcionamento das Organizações”, que trabalha o gerenciamento adequado dos investimentos feitos pelo Banco Mundial.

“Durante a visita serão realizadas sucessivas reuniões de avaliações dos relatórios sobre o projeto Comunidade Sustentável do Banco Mundial, que envolve toma uma gama de informações como, análise dos méritos e adequação e acompanhamento dos procedimentos adaptados dentro da realidade de cada comunidade”, adiantou Edmar Magno.

As análises serão feitas em cima dos projetos “Arranjos Administrativos”, Estratégia Indígena”, e Plano de Gestão Ambiental. As reuniões acontecerão no auditório da Agência de Fomentos do Amapá (Afap), antigo Banap e na Secretaria de Planejamento e Coordenação Geral (Seplan).

Na terça-feira, 18, às 15h, está sendo agendado um encontro da delegação com o governador Waldez Góes e com o presidente da Adap, Edmar Magno, no Palácio do Setentrião. Às 17h, a delegação visita o bairro do Zerão e a lagoa de decantação da Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa). O retorno está marcado para às 12h do dia 19.


Joel Elias

 


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.