Estrada de acesso à região da Pedreira
será asfaltada com a chegada do verão

O asfaltamento da estrada “de chão” (sem asfalto) que liga Macapá à região da Pedreira será o primeiro compromisso de campanha que o governador Waldez Góes (PDT) cumprirá junto aquela comunidade. O anuncio do asfaltamento da estrada foi feito pelo próprio governador no sábado, 12, durante visita que fez a Vila de São José do Mata Fome, a 32 quilômetros da capital, pertencente ao distrito de Santo Antônio do Pedreira. Esta foi a primeira visita do governador a essa região depois de eleito.

A Secretaria de Estado de Transportes (Setrap), informou que serão 36 quilômetros de asfalto. O trecho a ser asfaltado vai desde a passagem da ponte de concreto armando do Curiaú até o distrito de Santo Antônio do Pedreira. O serviço custará cerca de R$ 11, 5 milhões; cada quilômetro asfaltado está orçado em R$ 320 mil. A obra gerará aproximadamente 300 empregos. O prazo inicial previsto para a conclusão do asfalto é de dois anos.

A recepção dos moradores ao governador Waldez Góes foi regada ao batuque de marabaixo, feijoada e cozidão. “Sempre tive uma relação umbilical muito forte com os agricultores, com as pequenas comunidades. Na primeira chance que tive para estudar, não pensei duas vezes para me formar em uma área que pudesse conhecer profundamente as necessidades do homem do campo”.

Waldez garantiu que o serviço de recuperação da estrada e asfaltamento começará com a chegada do verão. “Não podemos perder nenhum dia de verão”.

Investimentos

Além do asfalto, as lideranças comunitárias reivindicaram ainda investimentos em toda a região da Pedreira, nas áreas de agricultura, pesca, turismo, cultura entre outros setores com o objetivo de melhorar a vida das famílias que residem nas 39 Vilas, que formam o distrito de Santo Antônio do Pedreira. Um documento sucinto que relaciona tais reivindicações foi entregue em mãos para o governador. Diante do exposto, Waldez Góes, sugeriu uma reunião maior com a presença da comunidade da região da Pedreira e sua equipe de governo para que juntos discutam as prioridades a serem executadas a curto e médio prazo.

José de Paulo Ramos, representante das comunidades, disse que os pontos destacados no documento são: o serviço de apoio à extensão rural (segundo ele, há mais de dez anos que a região não recebe nenhum incentivo neste sentido); implantação do ensino médio; melhoria de transporte rodoviário e implantação de transporte fluvial para viabilizar o escoamento de produtos agrícolas produzidos na região. José prevê que a segunda reunião de trabalho com a equipe de governo ocorrerá no início de maio. A proposta da reunião é definir exatamente o que dará para fazer e o que os nossos limites não permitirão realizar. A preocupação de Waldez Góes é que tudo deve ser feito de maneira planejada, de modo que se confirme quais os projetos que dará para ser feito até o final deste ano. No final Waldez dançou marabaixo e concedeu entrevista à imprensa.

EDY WILSON SILVA



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.