Janete Capiberibe se inspira na transparência dos índios
para apresentar projeto de lei

Inspirada na transparência e na honestidade dos povos indígenas, a deputada Janete Capiberibe apresentou nesta segunda-feira, 14/04, projeto de lei complementar à Lei de Responsabilidade Fiscal, que visa dar maior transparência às contas de todos os órgãos públicos do país. Segundo a deputada, "nos anos de 1500, época em que os primeiros brancos ancoraram seus navios na costa brasileira, os índios eram povos que não sabiam o que era corrupção, nem roubo, nem desonestidade e, o contato com os brancos trouxe para nossa terra, a febre da cobiça pelas nossas riquezas, por nossos irmãos e parentes então tornados mão-de-obra escrava. Diziam os brancos que estavam trazendo a civilização."

De acordo com o projeto de lei todos os órgãos do Governo Federal, Estadual e Municipal deverão manter na Internet, em tempo real, a sua execução orçamentária. Para a deputada Janete “o projeto dará a Internet um caráter político consolidando a democracia brasileira, exatamente de acordo com as diretrizes do Governo Lula, que tem como marca a luta contra a corrupção e a participação da sociedade na fiscalização dos gastos públicos. Uma demonstração disso foi a criação da Controladoria-Geral da União. ”

“Hoje, o Brasil, em termos de tecnologia da informação, incluindo-se aí a Internet, é o país da América Latina com mais recursos e mais acesso à Internet, e porque não usar desse avanço para contribuir com os governos Federal, Estaduais e Municipais uma vez que ele vai permitir aos brasileiros fiscalizar e participar mais efetivamente de seus atos transformando a Internet num instrumento de cidadania,” ressalta a Deputada.

O projeto propõe que todas as despesas sejam lançadas em home pages , sem esquecer de incluir nessa tela o número do processo a que se refere o gasto, o número do empenho e quem é a pessoa física ou jurídica que está recebendo o pagamento. Os órgãos públicos que já possuírem site na Internet terão 180 dias para adaptarem sua página com a nova tela de gestão do dinheiro público. Os que ainda estiverem em processo de informatização terão um ano para se adaptarem a lei que se pretende aprovar no Legislativo Federal. “Com isso, qualquer pessoa com acesso à Internet também poderá conhecer os valores de todas as receitas e suas respectivas unidades gestoras, inclusive dos recursos extraorçamentários”, afirma a deputada amapaense.

Janete Capiberibe salienta a importância da sociedade nesse projeto uma vez que, “ela poderá contribuir, participar e, até denunciar aos Tribunais de Contas ou aos Ministérios Públicos caso a lei não venha a ser cumprida.”

 


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.