Nova ave é descoberta no Peru

Ele viu e ouviu, mas precisava de uma prova para saber se estava certo.
Desde 2000, o pesquisador norte-americano Daniel Lane, da Universidade do Estado da Louisiana (LSU), tem sido atormentado pela lembrança de uma ave incomum, vista de relance durante uma expedição ao Peru. Em 2003, o cientista chegou até mesmo a gravar o canto do estranho pássaro de coloração amarela.

A comprovação, entretanto, veio apenas agora. Quatro anos depois da primeira - e rápida - observação, Lane conseguiu capturar um espécime do pássaro nunca identificado pela ciência. O exemplar, que está em um museu de Lima, logo será conhecido por um nome a ser escolhido pelo pesquisador, que fará a primeira descrição científica daquele que pode ser uma nova espécie ou mesmo um novo gênero.

Desde que viu a ave, o norte-americano retornou ao Parque Nacional Manu, no Peru, por diversas vezes, mas não teve sorte. “Depois de três anos, comecei até mesmo a duvidar de minha sanidade”, disse Lane em comunicado da LSU. Finalmente, no ano passado, o cientista e seu colaborador Gary Rosenberg, da mesma universidade, além de outros integrantes do grupo, localizaram a ave.

A equipe conseguiu também fazer uma longa gravação do canto do pequeno pássaro amarelo, uma parte fundamental do estudo ornitológico. Mas, como não conseguiram capturar um exemplar, continuaram reticentes sobre a possível descoberta.

No mês passado, Lane voltou ao Peru com alguns colaboradores e, após ter conseguido permissão das autoridades locais, começou a tocar no Parque Nacional Manu a fita que havia gravado em 2003. Na manhã de 9 de junho, o canto gravado funcionou e o pássaro procurado surgiu. Após quase uma hora de tentativas, os ornitólogos finalmente conseguiram capturá-lo.

De acordo com Lane, a ave deve ser um tipo de tangará, designação comum de espécies encontradas em regiões tropicais das Américas. O exemplar capturado se tornará o “tipo”, ou seja o espécime sobre o qual a descrição da espécie estará baseada e em relação ao qual todos os outros similares serão comparados.

O exemplar que está no Peru será posteriormente enviado à Lane, na LSU, para que seja feita a descrição científica e o teste de DNA que irá determinar as relações específicas com outras aves. (Agência Fapesp)


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.