Jader é o primeiro amapaense
medalhista do Pan-Americano

A carreira do nadador amapaense Jader Souza, 21, deu uma guinada depois da medalha de ouro no Pan-Americano, quinta-feira, 14, na categoria 4 x 100. O nadador conquistou a medalha, juntamente com Fernando Scherer (Xuxa), Carlos Jayme e Gustavo Borges. Na sexta-feira pela manhã, enquanto os brasileiros ainda comemoravam a conquista, Jader voltou à piscina e se classificou com Fernando Scherer para os 50 metros livres, com o quinto melhor tempo do dia, 22s79.

Na quinta-feira, dia da vitória brasileira, os veteranos Gustavo Borges e Fernando Scherer eram o centro das atenções da equipe brasileira do revezamento 4x100m, mas foi Jader, caçula do quarteto, o principal responsável pela conquista da medalha de ouro.

A segunda medalha de ouro do Brasil na natação (ganhou a primeira com Rogério Romero nos 200m costas) começou a tomar forma quando Jader, terceiro da equipe a pular na piscina, mergulhou na segunda posição e retornou em primeiro lugar, deixando para Carlos Jayme a obrigação de segurar o resultado.

"Eu estou chegando aos poucos para fazer parte dessa família da natação do Brasil", disse Jader, que tem Gustavo Borges como ídolo. "Só de estar ao lado dele (Gustavo Borges) já é uma vitória. Os últimos 25 metros foi onde melhorei mais e o final foi espetacular."

E foi Borges que deu a dica para Jader, explicando que ele deveria se resguardar durante os primeiros 50 metros e dar o máximo nos outros 50. "Falei para o Jader voltar mais forte", disse Borges. "A gente achava que eu ia entregar na frente, mas foi o Jader que conseguiu buscar no final."

"O Jader foi o grande responsável pela alavancada do revezamento", disse Hugo Lobo, treinador de Jader. "Essa medalha era muito esperada. Tínhamos programado sair com o Scherer porque ele estava muito empolgado. O Jader estava muito nervoso, mas sabíamos que ele poderia corresponder."

A equipe brasileira começou com Fernando Scherer, depois seguiu com Gustavo Borges, Jader Souza e concluiu com Carlos Jayme, fechando em 3min18s66.

Os Estados Unidos terminaram na segunda posição, mas foram eliminados porque seu terceiro nadador pulou antes do permitido na água. A Venezuela herdou a prata, com 3min23s14, e o Canadá ficou com o bronze (3min23s83).

Durante a comemoração, Jader não esqueceu de lembrar o apoio do governo do Amapá e dedicou a vitória ao Estado onde nasceu.

Trajetória
Jader José da Silva Souza, 21 anos, nasceu no distrito do Paredão (Ferreira Gomes), próximo à hidrelétrica Coaracy Nunes. Dos oito aos 19 anos praticou natação em Macapá, sob a orientação do técnico José Silvio da Silva, também amapaense. Transferiu-se para Brasília em abril de 2001. A partir daí, ficou sob o comando técnico do professor Hugo Lobo.

O governo do Estado é patrocinador de Jader, cujo contrato cobre as despesas com salário do treinador, do preparador físico, do nutricionista, além de despesas médicas e equipamentos do atleta. A duração do contrato de patrocínio do Governo do Estado é de um ano, mas o governador Waldez Góes já anunciou a renovação do apoio.

Outros campeonatos

A participação do Amapá na natação, assim como os campeonatos adquiridos não são de agora. A inauguração da Piscina Territorial em 21 de abril de 1951, pelo governador Janary Nunes, foi o marco inicial da produção de vários amapaenses que brilharam, nas piscinas brasileiras, conseguindo quatro campeonatos para o Amapá.

O primeiro campeão foi Benedito Ferreira Monteiro (mil metros, nado de costas), em 28 de março de 1954, quando participou do 13º Campeonato Brasileiro de Natação Infanto-Juvenil, no Rio de Janeiro.

A segunda façanha coube a Glória Maria Sales de Araújo, em 21 de agosto de 1955, na categoria infanto-juvenil.

Em 28 de fevereiro de 1956, por ocasião do 14º Campeonato Brasileiro de Natação, também infanto-juvenil, na piscina do Estádio do Pacaembu, o Amapá conquistou 153 pontos, deixando S. Paulo em segundo lugar (131 pontos). Os campeões foram Raimundo dos Santos, Benedito Monteiro (que foi campeão em 1954), Anselmo Silva e Iladir Maria dos Santos. Eles foram treinados pelo lendário capitão Euclides Rodrigues.

Após um período de 47 anos, surge Jader Souza, que nascido próximo à hidrelétrica de Coaracy Nunes, conquistou a simpatia do hoje presidente da Confederação Brasileira de Natação, Coaracy Nunes Filho, coincidentemente filho do patrono da hidrelétrica.

Colaboraram Renivaldo Costa (DNC/Secom) e Camila Moreira (Agência Reuters)

Edgar Rodrigues


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.