Garrafas de plástico vão para as paredes de casas populares.

São Paulo - Uma casa já pode ser feita de blocos fabricados com areia, cimento, isopor, no lugar da brita, e garrafas de plástico tipo PET - aquelas embalagens de refrigerantes - e outros produtos descartadas todos os dias. O bloco Isopet utilizado na construção de duas casas de 45 m² cada, em Pindamonhangaba, interior paulista, é resultado do projeto de estudantes do curso de Tecnologia de Construção do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (Cefet). A obra é resultado da união do prefeitura com o professor Ely Aguiar e os estudantes Cássio Silvério, Luciano Pereira, Rodrigo Kanning e Tiago Lopes criadores do Isopet.

Aguiar explica que a PET, que é um tipo de plástico (politereftalato de etileno), é colocada inteira e vazia dentro da forma que é preenchida pela massa que também usa isopor.
"O bloco tem encaixe macho-fêmea na vertical e só precisa de argamassa na horizontal." O objetivo agora é ter apoio para usar o Isopet na construção de casas populares. Com redução de 30% no custo da obra em relação aos materiais tradicionais, a prefeitura aprovou a obra que é usada como posto de saúde. Segundo o secretário de Comunicação de Pindamonhangaba, Marcelo Pirani, o objetivo é fazer mais formas de Isopet e passar a produzir blocos em maior quantidade. "O prefeito Vito Ardito Lerario quer levar o Isopet para construções em loteamentos", disse.

O Isopet venceu na categoria de pesquisas acadêmicas do Prêmio Ecopet da Associação Brasileira da Indústria de PET (Abipet). Para o gerente de Comunicação da entidade, Hermes Contesini, o objetivo é mostrar à sociedade que a coleta e reciclagem de materiais (plástico, papel vidro e metal) ajudam o catador, as empresas e o meio ambiente. "O índice de reciclagem pode ser melhorado. O problema para a indústria da reciclagem é justamente a coleta que ainda não é suficiente."

Tubos

Depois de moídas as garrafas do plástico PET são usadas na fabricação do Tubopet da Empresa Brasileira de Reciclagem (EBR), comercializado ao custo médio de R$ 22. Também premiado pelo Ecopet, na categoria empresarial, o produto foi criado por Guido Nigra. Segundo o diretor comercial EBR, Sérgio Dias, um tubo de 6 m e 100 mm de espessura precisa de 98 garrafas de 2 litros para ser feito. "A linha de tubo para esgoto predial é uma alternativa ao tubo de PVC."

Aliar meio ambiente a ação social. Foi pensado nisso que o comerciante e ambientalista Célio Oliveira construiu em Magé (RJ) a casa Arte no Mangue. São 10 mil garrafas PET cheias de areia no lugar de blocos. Ele foi premiado pelo Ecopet na categoria ações da coletividade.

Alexandra Penhalver


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.