Incentivo à Cultura
continua em debate

A reunião realizada no dia 15, para discussão sobre o Projeto de Lei de Incentivo à Cultura, atraiu artistas representantes de todos os segmentos da arte do Amapá. O texto deverá ter aprovação final na próxima reunião, que acontece no dia 17, na sede da Amcap. Na seqüência, deverá ser encaminhado pelo deputado estadual Randolfe Rodrigues, autor do Projeto, para votação da Assembléia Legislativa. Toda a classe artística e os produtores culturais do Amapá continuam convidados a participar dos debates.

A Lei de Incentivo à Cultura, que provisoriamente traz o nome de Antônio Messias, é uma lei de incentivo no âmbito da arrecadação do ICMS e deverá conceder incentivo fiscal à empresa, com estabelecimento situado no Estado do Amapá, que apoiar financeiramente projetos de caráter artístico e cultural no Estado, através de doação ou patrocínio. "Nós queremos uma lei exeqüível para o Estado, focada na nossa realidade cultural e econômica, interessante para o artista, para o produtor e para o empresário", esclarece Clécio Vieira, ativista do movimento cultural no Estado.

Os projetos culturais deverão ser apresentados ao órgão superior responsável pela cultura no Estado, diretamente pelo artista, através de requerimento para sua análise, que deverá ocorrer no prazo de 30 dias. O projeto será deferido desde que atenda as exigências previstas nos artigos da Lei.

A classe artística e o mandato do deputado Randolfe querem também conversar com os empresários, parlamentares e governo do Estado sobre a Lei de Incentivo, com o objetivo de fortalecer a mobilização em torno da sua aprovação. A opinião de Randolfe é de que os debates vão garantir o melhor
resultado na elaboração da Lei.

Serão beneficiadas pela Lei as seguintes manifestações artísticas: música e dança; teatro, circo e congêneres de artes cênicas; produção cinematográfica, videográfica, fotográfica, discográfica e congêneres; literatura; cartunismo; artes plásticas, artesanais e congêneres das artes visuais; folclore e tradições populares; informação e documentação; bibliotecas e centros culturais; acervo e patrimônio histórico e cultural; editoração de publicações periódicas de cunho cultural e informativo; cultura negra, afro-descendentes, entre outras manifestações culturais; dublagem.

As leis de incentivo à cultura de outros estados têm margem média de 2% de desconto no ICMS do empresário. A Lei de Incentivo à Cultura criada por Randolfe deverá obedecer a esta margem.

A reunião que definirá questões como esta acontece a partir das 19h. A Amcap fica na rua Jovino Dinoá, quase esquina com a Nações Unidas, ao lado da panificadora Kirlayne, no bairro Jesus de Nazaré.

Ânima Comunicação




Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.