Projeto tenta dar segurança
à navegação na Amazônia

Fonte: O Liberal
Link: www.oliberal.com.br

Foi lançado oficialmente, ontem, o grupo de estudo "Amazônia", cujo objetivo é elaborar o projeto "Transporte Fluvial de Passageiros na Amazônia: Regulamentação do Setor e Segurança da Navegação".

Coordenado pela doutora em engenharia de transportes da Universidade da Amazônia (Unama), Maísa Sales, o grupo, sediado na Capitania dos Portos, em Belém, será responsável por levantar informações sobre o transporte fluvial na região, com o objetivo único de regulamentar o setor de segurança na Amazônia.

Segundo Maísa Sales, o projeto terá duração de um ano e será
acompanhado de perto por uma equipe técnica nacional formada por profissionais da fundação Coppetec/UFRJ, Instituto de Pesquisa Tecnológica de São Paulo (IPT), além de vários órgãos consultivos, universidades, órgãos públicos, associações e sindicatos. O trabalho prático do grupo inicia-se com pesquisas de campo, incluindo quatro capitais: Belém (PA), Manaus (AM), Porto Velho (RO) e Macapá (AP), bem como a cidade de Santarém (PA), onde serão entrevistados usuários do setor e armadores, conforme informou Maísa Sales.

Ela informou que na sexta-feira, 24, o grupo de quatro pessoas,
coordenado por ela, estará realizando um teste-piloto para verificar o instrumento de coleta de dados e adaptação de formulários que serão adotados na pesquisa. A meta é concluir o trabalho de pesquisa na região até o fim da primeira quinzena de março, quando então as informações passarão a ser tabuladas, possibilitando assim a agilização da elaboração do projeto que visa regulamentar linhas, implementar de terminais hidroviários e criar embarcações ideais para a região, bem como dar suporte à Capitania na hora de fiscalizar.

O capitão dos Portos, Jaerte Bazyl, ressaltou que a idéia de elaborar o projeto "Transporte Fluvial de Passageiros na Amazônia: Regulamentação do Setor e Segurança da Navegação" surgiu em maio do ano passado, durante a realização do 4º Seminário sobre Transporte Aquaviário, em Belém, cujo tema foi "Amazônia 2015 - Segurança nos Rios - Desafio de Vida". De acordo com o capitão, a segurança na navegação começa numa embarcação segura, continua pela regulamentação das linhas e termina na implementação de terminais hidroviários.

Os maiores problemas vividos hoje pelas embarcações são a falta de habilitação dos seus "comandantes", embarcações sem inscrição na Capitania dos Portos e excesso de passageiros nas viagens. Conforme o capitão, hoje existem cerca de 25 mil embarcações registradas na Capitania. "Entretanto" - diz ele -, "outras 20 mil, no Pará e Amapá, trafegam clandestinamente, pondo em risco os passageiros".

Ao ser concluído, o projeto será encaminhado à Diretoria de Portos e Costas da Capitania dos Portos e Agência Nacional de de Transporte Aquaviários (Antaq), que é a responsável pela regulamentação do transporte. "Nosso objetivo é municiar as instituições de um instrumento confiável", afirmou a doutora Maísa Sales, que enfatiza a importância da vontade política para que o projeto se torne realidade.



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.