Governo apóia iniciativa de estudantes de história

O XVº Encontro Regional dos Estudantes de História, acontece no período de 18 a 21 deste mês na Universidade Federal do Amapá.

Segundo os organizadores do evento, esta é a primeira vez que o Amapá sedia um encontro regional de estudantes de história, por isso, são esperados pelo menos 350 acadêmicos da área, vindos de toda a Região Norte.

Temas como a internacionalização da Amazônia, o balanço historiográfico e os processos de exploração e resistência na região serão debatidos no decorrer do encontro, que prevê ainda uma extensa programação cultural.

Na tarde desta sexta-feira (18) acontecerá um city tour pelos principais pontos turísticos da capital como o Monumento do Marco Zero do Equador, o Museu Sacaca, o Curiaú e a Fortaleza de São José de Macapá, onde estão sendo programadas apresentações de marabaixo, no Baluarte Nossa Senhora da Conceição, e a encenação de trechos bíblicos referentes a Paixão de Cristo. “Preparamos uma programação especial para receber os acadêmicos de história, dividida em duas etapas a que chamamos de profana representada pela apresentação do canto e da dança do marabaixo e a religiosa, que será a encenação da Paixão de Cristo”, afirmou Adriana Rodrigues da Silva, diretora da Fortaleza.

Caberá também à Fortaleza a realização de uma oficina para os futuros bacharéis em História, onde será apresentado o projeto de educação patrimonial “Aprendendo com a Fortaleza”, que foi premiado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico Nacional) no final do ano passado.

A Setec apóia o encontro por meio da assinatura de um convênio com a Fundap - Fundação de Apoio à Pesquisa e à Cultura do Estado do Amapá - para o repasse de valores para a infra-estrutura do evento.

Além da programação da Fortaleza, a Fundecap também auxiliará na programação cultural, que será realizada no campus da Universidade Federal do Ampá (Unifap), com a estrutura de palco e iluminação.

É importante ressaltar que a parte cultural é aberta a participação de todos, conforme informações de Eloi Nunes, um dos coordenadores do XV Encontro Regional dos Estudantes de História.

Eliane Cantuária


 



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.