Casa para servidores federais

Programa do Governo oferece financiamento habitacional para ativos, aposentados e pensionistas que recebem até R$ 1.300 Cristiane Campos

Jorge Hereda diz que orçamento chegará a R$ 16 bilhões, em 2006

O Governo federal está dando os últimos retoques para lançar o financiamento habitacional destinado a servidores federais ativos, inativos e pensionistas. A nova linha estará disponível nas agências da Caixa Econômica Federal no mês que vem. A idéia é beneficiar os funcionários públicos com renda mensal de até R$ 1.300 (cinco salários) e que tenham rendimento familiar de no máximo R$ 2.600 (10 mínimos). A casa própria poderá ser financiada em até 100%, com as prestações descontadas em folha.

O modelo garante segurança para operação, fazendo com que o risco seja zero, porque não haverá inadimplência. Outra vantagem é que não será cobrada taxa de administração. Esse encargo, em alguns casos, chega a representar 10% do valor da prestação. Outro diferencial é que a análise de crédito da Caixa será bastante flexível. Os servidores terão apenas que apresentar os documentos de identidade, CPF e comprovantes de renda e de residência.

O Governo dará prioridade a áreas e imóveis da União consideradas disponíveis. As secretarias Nacional de Habitação, do Ministério das Cidades, de Recursos Humanos e Patrimônio da União, do Ministério do Planejamento, e a Caixa Econômica são parceiras no programa, além de estarem trabalhando para diminuir a burocracia.

Meta é beneficiar 50 mil servidores em quatro anos

Os funcionários públicos terão acesso aos programas de financiamento já existentes na Caixa. Os mais indicados serão o Programa de Arrendamento Residencial (PAR) e a carta de crédito com recursos do FGTS, que permite a compra de imóveis novos, usados e na planta.

Os juros vão de 3% a 8,16% ao ano ? mais a Taxa Referencial (TR), hoje em 6,17%. O prazo de pagamento varia de 15 a 20 anos. Quem recebe acima de R$ 1.300 poderá optar por financiar o material construção.

No PAR, os interessados pagarão durante 15 anos e só depois serão donos do imóvel. O arrendamento é como se fosse um aluguel social. As unidades têm em média 47 metros quadrados divididos em sala, dois quartos, cozinha e banheiro. A moradia não pode custar mais que R$ 32 mil. A prestação representa 0,7% do valor do imóvel. Uma casa de R$ 28 mil terá prestação inicial de R$ 196, mais a taxa de condomínio. Nessa modalidade, os juros são de 3% ao ano mais a TR.

Na carta de crédito, o imóvel usado pode custar até R$ 72 mil. Quem optar por essa linha precisa escolher uma unidade regularizada. A Caixa só financia moradias que são cadastradas no Registro Geral de Imóveis (RGI).
Já as unidades novas ou na planta têm que estar avaliada em até R$ 80 mil.
Os juros são de 8,16% ao ano mais TR.

Para ter direito ao financiamento, é preciso estar há pelo menos três anos no serviço público. Outras exigências: não ser proprietário ou futuro comprador de imóvel, não ter financiamento habitacional e ter dependentes ou agregados.

Segundo o secretário Nacional de Habitação, Jorge Hereda, o programa está pronto. Falta apenas pequenos ajustes para implantação. A meta do Governo é beneficiar 50 mil servidores nos próximos quatro anos.


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.