Unifap centraliza concurso
em Macapá
para diminuir risco de fraude

A realização da prova do concurso público para a Polícia Militar e Corpo de Bombeiros que acontece neste domingo, 20, irá mobilizar toda a estrutura física das redes estadual e municipal de ensino de Macapá. Serão 60 unidades escolares que ficarão à disposição da Unifap (Universidade Federal do Amapá), instituição responsável pela elaboração e aplicação da prova.

Apesar de entre os 25.882 candidatos existirem pessoas inscritas em Santana, Laranjal do Jari e Oiapoque, o vice-reitor da Unifap, professor João Nascimento Borges Filho, justificou a centralização do concurso na capital afirmando que a medida foi tomada como forma de evitar possíveis fraudes, já que houve um grande número de inscritos.

“Puxar a prova da primeira fase do concurso para Macapá foi proposital. Na capital temos baseada a Polícia Federal. Então, qualquer problema que ocorra durante a realização do teste teremos como acionar imediatamente a Polícia Federal, que estará com uma equipe de plantão pronta para entrar em ação assim que for necessário”, explicou o vice-reitor.

Borges adiantou que todos os procedimentos com relação as fraudes —possíveis e imagináveis — já foram tomadas para garantir a segurança e a lisura do concurso, o maior já realizado no Estado. “Nos prevenimos para qualquer tipo de ocorrência, principalmente as fraudes com a utilização de equipamentos eletrônicos”, revelou.

O secretário Carlos Alberto Sampaio Cantuária (Administração), presidente da Comissão Organizadora do concurso, confirmou que impreterivelmente a prova iniciará às 8h, não havendo prorrogação desse horário. “Os candidatos têm que ficar atentos a essa questão, principalmente quem mora em outros municípios. Às 8h os portões serão fechados, por isso aconselhamos que os candidatos cheguem com uma hora de antecedência”, enfatizou.

Para ter acesso ao local da prova, o candidato deverá apresentar, além do Cartão de Inscrição, o original do documento de identidade senão ele será barrado. O local de realização da prova, assim como o horário, constam no Cartão de Inscrição do candidato.

“Se algum candidato porventura se dirigir à escola errada, e não conseguir chegar a tempo ao local onde está previsto ele fazer a prova, a responsabilidade será dele. Por isso recomendamos que os candidatos confirmem o quanto antes em seu Cartão de Inscrição, qual é a escola e a sala em que fará a prova”, lembrou Cantuária.

O diretor da EMTU (Empresa Municipal de Transportes Urbanos), Luiz Banho confirmou, nesta quarta-feira, 16, que os candidatos não enfrentarão transtorno com atraso ou falta de ônibus. O órgão já encaminhou às empresas um ofício pedido que a frota, inclusive os veículos reserva, sejam colocados em circulação no domingo no horário de realização do concurso.

Joel Elias

 


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.