TRIBUNAL DE JUSTIÇA EMPOSSA NOVOS JUÍZES SUBSTITUTOS


Em sessão solene realizada ontem (17), que contou com a presença de autoridades do Judiciário e do Ministério Público, o presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Desembargador Edinardo Souza, deu posse a cinco novos juízes de direito substitutos, aprovados no último concurso público realizado este ano. São eles: Carline Regina de Negreiros João Teixeira de Matos Junior, Glauber Dantas Rebouças Ailton Marcelo Mota Vidal e Priscylla da Silva Peixoto.

Após a prestação do compromisso legal e da assinatura do termo de posse, o juiz João Teixeira de Matos Júnior falou em nome e dos empossados, relembrando a longa jornada por eles percorrida para a conquista do objetivo. Emocionado, o magistrado agradeceu a Deus pela conquista, enalteceu o papel dos familiares no processo seletivo, a dedicação dos professores da Escola de Magistratura e a importância do curso preparatório a que se submeteram nos últimos dois meses.

Falando em nome do Tribunal de Justiça do Estado, o Vice-presidente do órgão, Desembargador Mário Gurtyev de Queiroz saudou os novos juízes dando-lhes as boas vindas e destacando a grande responsabilidade a eles atribuída em decorrência da carreira em que estavam sendo investidos. “Escolher a judicatura como profissão, significa optar pela dedicação ao estudo do direito. E mais do que isso, por uma vida de renúncias e sacrifício”, refletiu.

Os novos Juízes participaram de um processo seletivo, iniciado em junho deste ano com de 340 candidatos inscritos. Apenas 109 conseguiram passar para a segunda fase. Desses, somente 35 foram aprovados e apenas 32 compareceram à prova de sentença, dos quais apenas sete logram êxito. Na prova oral mais dois foram eliminados permitindo que apenas cinco lograssem aprovação final.


ENCERRAMENTO- Um sessão solene realizada ao meio dia de ontem (17), marcou o encerramento do ano judiciário do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá em 2004. Na ocasião, o Procurador de Justiça Márcio Augusto Alves falou em nome do Ministério Público Estadual enaltecendo o trabalho desenvolvido pela magistratura amapaense e fazendo votos de que o ano de 2005 seja ainda mais produtivo.

O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Desembargador Edinardo Souza encerrou a cerimônia destacando o clima natalino e o espírito fraternal que que ocorre nesta época do ano entre as pessoas. “Não vou falar sobre Reforma do Judiciário, sobre controle externo do judiciário nem sobre teto salarial”, disse, para em seguida lembrar sua trajetória à frente do Tribunal de Justiça. Dizendo-se vitorioso por haver executado a maioria dos projetos de sua administração, o magistrado, em tom de despedida aproveitou para agradecer às instituições que colaboram com o judiciário como Ministério Público, Defensoria Pública e Ordem dos Advogados do Brasil, Secção do Amapá. Agradeceu aos serventuários que considera “o alicerce para toda a atividade judicial” pela diligência e esforço para cumprir as ações desenvolvidas, tanto na área judicial quanto administrativa. Destacou a colaboração de cada um dos Desembargadores que compõem o Tribunal de Justiça e e, por fim, se disse na obrigação de fazer um reconhecimento público como “um grande presente de natal” da melhoria na tutela jurisdicional apresentada pela magistratura de primeiro grau. “Refiro-me à agilidade na prestação jurisdicional, fazendo do judiciário amapaense um dos mais céleres do país”, disse o Desembargador .




Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.