MACACO, OLHA O TEU RABO!

Carta Maior

O artigo do NY Times sobre supostos excessos alcoólicos do presidente Lula é de estarrecer. Baseia-se em fofocas. O que não é bem o caso quando esse assunto envolve o presidente dos EUA. Ou alguém esqueceu aquela vez em que Bush supostamente engasgou com um pretzel?

Desculpe, leitor, a vulgaridade do título. Mas temos que "keep up with the times" (ficar em sintonia com os tempos). No caso, com o New York Times. O celebrado jornal publicou, anteontem, extensa reportagem sobre supostos excessos alcoólicos do presidente da República do Brasil. E a repercussão por aqui foi tremenda, como seria de esperar.

Bem. Sabemos que tudo está decaindo. Mas a reportagem do New York Times é de estarrecer. Baseia-se essencialmente em fofocas, boatos e piadinhas.

O autor é correspondente do jornal no Brasil. Vejamos os seus métodos. Alguns brasileiros começam a se perguntar se a predileção do presidente Lula por bebidas fortes estaria afetando o seu desempenho no cargo?.
Assim começa o texto.

Quem são esses brasileiros? Líderes políticos e jornalistas, segundo o correspondente. Que líderes? O único mencionado é Leonel Brizola. Os jornalistas citados como fontes pelo correspondente do jornal americano são Cláudio Humberto, profissional de reputação sabidamente ilibada, e um colunista da revista Veja, Diego Mainardi, uma espécie de sub-sub-Paulo Francis...

Outro argumento poderoso do correspondente: o presidente do Brasil passou anos de sua vida liderando sindicatos de trabalhadores, "um ambiente famoso pelo alto consumo de álcool". E, para arrematar a perfídia, a comparação com Jânio Quadros, presidente muito chegado à bebida, que não terminou o seu mandato...
A matéria bem que poderia ser usada em faculdades de comunicação como
exemplo de jornalismo vagabundo e "quem sabe?" politicamente motivado.

Por outro lado, há um aspecto da questão que não pode ser esquecido. A reportagem do New York Times é uma excelente oportunidade para recorrer ao velho bordão: "Macaco, olha o teu rabo!".

No caso do presidente Bush, não há especulação. Não é preciso apelar para rumores e intrigas. O próprio Bush, em encontro na Casa Branca com líderes religiosos, reconheceu o problema:
"You know, I had a drinking problem. Right now, I should be in a bar in Texas, not the Oval Office. There is only one reason that I am in the Oval Office and not in a bar: I found faith. I found God. I am here because of the power of prayer".
("Os senhores sabem, eu tive um problema de alcoolismo. Neste momento,
deveria estar num bar no Texas, e não no Salão Oval. Só há uma razão para eu estar no Salão Oval e não num bar: encontrei a fé. Encontrei Deus. Estou aqui por causa do poder da oração".)

Esses comentários foram transcritos em livro recente do escritor americano Norman Mailer ("Why are We at War?", Random House, 2003), que os considera muito perigosos. Foi Kierkegaard, lembra Mailer, quem primeiro advertiu que nunca podemos saber aonde nossas orações vão parar e de onde as respostas virão quando pensamos estar mais próximos de Deus, podemos estar ajudando o Diabo.

O pior é que, como dizem os americanos, "old habits die hard" (hábitos antigos custam a morrer). Há indicações de que o presidente dos EUA talvez não tenha superado inteiramente o seu problema. Em 2002, por exemplo, aconteceu o cômico episódio do desmaio presidencial. O mundo inteiro ficou sabendo. Bush estava em casa sozinho, assistindo um jogo de futebol americano na televisão e comendo pretzels (uma espécie de biscoito, normalmente salgado), acompanhado de seus dois cachorros. Um
perfeito cenário de classe média americana. De repente, o presidente desmaia e vai ao solo!

Não houve como esconder o episódio, uma vez que a queda provocou forte contusão no seu rosto. A imprensa mundial precipitou-se em especulações.
O presidente dos EUA teria tido uma recaída? Ah, mas o companheiro Bush é imbatível. Deu explicações que entraram para o anedotário político americano. Atribuiu o desmaio a não ter mastigado cuidadosamente os pretzels. "Portanto, ouçam suas mães", recomendou, "nunca engulam um pretzel sem mastigar bem".

Bush garantiu não ter ficado muito tempo desacordado. Como podia saber, se estava só? O presidente não teve dúvidas: "É que quando recobrei a consciência, os meus cachorros, Barney e Spot, estavam na mesma posição, apenas com uma expressão preocupada".

Não pense, leitor, que estou aqui fazendo alguma caricatura. Essas foram as explicações, assim foram publicadas por todos os jornais e agências de notícias na ocasião. A verdade é que o atual presidente dos EUA é uma caricatura ambulante.

A imprensa brasileira bem que poderia fazer um levantamento, especulativo que fosse, sobre quantas o presidente americano havia entornado quando tomou a fatídica decisão de invadir o Iraque.

Para terminar, gostaria de declarar que o nosso presidente tem, sim, o direito de tomar umas e outras, de vez em quando, e de patrocinar os seus churrascos (também condenados na matéria do New York Times).
A pressão do cargo é fenomenal. Além disso, Lula não é um cínico perfeito e acabado, tipo Fernando Collor ou Fernando Henrique Cardoso. Deve estar sofrendo, imagino, com as decisões que vem sendo levado a tomar.
O ínfimo aumento do salário mínimo, por exemplo, deve ter saído a fórceps.

E, por último, nem sempre o álcool atrapalha tanto assim: Churchill era muito chegado à bebida, talvez tanto quanto Jânio Quadros.

Hitler, por outro lado, era, além de abstêmio, antitabagista vegetariano.

(Paulo Nogueira Batista Jr.- Economista e professor da FGV-EAESP.)


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.