Sol passa por período de maior atividade em 8 mil anos

Da próxima vez que você se deitar na areia quente da praia durante o feriado, imagine o seguinte: aquele disco amarelo brilhando no céu que você usa para se bronzear é uma bola de gás incandescente de quase 5 bilhões de anos de idade e temperatura média de 5.500 ºC na superfície. Cada partícula de luz que atinge a sua pele foi gerada há milhares de anos no interior desse reator estelar e viajou 150 milhões de quilômetros em linha reta até bater nas suas células.

O resultado final pode ser um bronzeado dourado ou um câncer de pele, dependendo dos cuidados de cada um. O fato é que o Sol é essencial para a vida na Terra e um astro cada vez mais quente na lista de prioridades dos pesquisadores. Pois, apesar de sua gigantesca importância, ainda guarda muitos mistérios no escuro.

Uma das pesquisas mais recentes indica que o Sol está passando pelo seu
período de maior atividade nos últimos 8 mil anos. Uma mudança praticamente imperceptível para as pessoas na praia, mas de grande influência sobre atividades espaciais e de telecomunicações, que são diretamente afetadas pelas intempéries solares. As explosões e ejeções de massa coronal lançam ao espaço gigantescas ondas de radiação e plasma que danificam satélites, podem causar apagões e até matar um astronauta desavisado.

Para reconstruir o histórico de atividade solar, os pesquisadores mediram a concentração de isótopos de carbono 14 (C-14) nos anéis de árvores fossilizadas há até 11 mil anos. A relação é inversa: “Quanto maior a atividade solar, menor a quantidade de C-14”, explica o especialista Pierre Kaufmann, coordenador do Craam - Centro de Rádio-Astronomia e Astrofísica Mackenzie e pesquisador da Unicamp - Universidade Estadual de Campinas. “Com o aumento da atividade solar, o espaço fica mais cheio de plasma e os raios cósmicos de origem não solar (que formam o C-14) são desviados do sistema solar e da Terra”.

A conclusão é que, considerada a média dos últimos 60 anos, o Sol nunca esteve tão ativo em 8 milênios. A pesquisa, publicada recentemente na revista Nature, é assinada por cientistas suíços, finlandeses e alemães. O autor principal é Sami Solanki, do Max Planck Institute for Solar System Research.

Influência no Clima - O Sol funciona em ciclos de 11 anos, tempo que ele leva para ir de um mínimo a um máximo e de volta a um mínimo. O ciclo atual termina em 2005, depois de um máximo registrado em 1998 e 1999. As explosões mais violentas, entretanto, ocorrem justamente perto dos mínimos, no início e fim do ciclo, segundo Kaufmann.

A maior já registrada ocorreu em 4 de novembro de 2003, com força equivalente a centenas de bilhões de bombas atômicas. Como não estava voltada para a Terra, não causou estragos.

Umas das grandes incógnitas pendentes é sobre a influência dessa atividade solar sobre o clima da Terra e sua possível contribuição para o fenômeno de aquecimento global. “Pode ter havido uma influência do Sol sobre o clima nesse período, mas ainda é cedo para dizer isso. Precisamos pesquisar muito mais”, disse Solanki ao Jornal Estado de São Paulo, cauteloso. “O efeito na superfície do planeta não é bem conhecido, mas a influência sobre o clima é certamente grande”, aposta Kaufmann.

(Herton Escobar/Estadão Online)




Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.