AMAZÔNIA PRECISA DE MODELO DE DESENVOLVIMENTO PARTICULAR, DEFENDE MINISTRA

"O modelo de desenvolvimento que este governo quer para a Amazônia é o de um desenvolvimento particular, que associe preservação ambiental, crescimento econômico e justiça social", disse a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, nesta quinta-feira (17), após encontro com os governadores do Mato Grosso, Blairo Maggi, e do Mato Grosso do Sul, José Miranda dos Santos, o Zeca do PT.

Marina Silva explicou que, desde o anúncio da nova previsão de desmatamento para a Amazônia, de 25 mil quilômetros quadrados, um Grupo de Trabalho formado por 11 ministérios vem trabalhando em uma proposta de desenvolvimento para a região. "Não existe espaço na Amazônia para atividades intensivas de monocultura, mas sim para a produção diversificada, sustentável e adequada às realidades da floresta", salientou. De acordo com a ministra, o Grupo de Trabalho está na fase final da elaboração dessa proposta, que será encaminhada à Casa Civil.

A ministra ressaltou ainda que é preciso ocupar áreas já degradadas para a agricultura, evitando novos desmatamentos. "O Mato Grosso tem entre 12 e 15 milhões de hectares abandonados. Se soubermos aproveitar essas áreas, é possível até dobrar a produção de grãos naquele estado sem cortar mais uma árvore sequer", disse. "Estamos reforçando as parcerias com estados e municípios para que a Amazônia continue sendo Amazônia", comentou.

Na reunião, o governador mato-grossense apresentou projeto para recomposição de matas ciliares em rios que nascem no estado e seguem para a região amazônica. Segundo ele, isso permitiria a preservação da flora e da fauna e inclusive o melhor deslocamento de animais. Essa e outras iniciativas integrariam o chamado Programa Estadual de Preservação Estratégica (Pepe). "O reflorestamento é apoiado pelos produtores do estado", afirmou Maggi.

Ele solicitou ao MMA - Ministério do Meio Ambiente um estudo sobre a possibilidade de se "flexibilizar" a legislação, permitindo a "realocação" das áreas de reserva legal, que estariam em alguns casos distantes dos mananciais, preservando a flora e, em escala bem menor, a fauna. Conforme o governador, o reflorestamento das áreas nas margens dos rios serviria ainda, no futuro, para abastecimento do mercado de madeira, deficitário naquele estado.

Para a ministra Marina Silva, a proposta mato-grossense é positiva, mas necessita de uma profunda análise quanto às questões legais. De acordo com o secretário de Desenvolvimento Sustentável do MMA, Gilney Viana, a iniciativa poderia ser contemplada com a Taxa de Reposição Florestal e a linha de adimplência ambiental do Fundo do Centro-Oeste (FCO). Deve ser marcada, em breve, uma reunião de trabalho envolvendo representantes do Ministério, do Ibama e de Mato Grosso para dar seguimento às negociações.

O governador do Mato Grosso do Sul, Zeca do PT, relatou à ministra Marina Silva sua preocupação com a continuidade do Programa Pantanal, que enfrentava um impasse judicial e não está contemplado no novo PPA - Programa Plurianual. Segundo Marina Silva, há um esforço do conjunto do governo para que o programa "saia do papel". "As equipes de organização do projeto estão sendo recompostas e estamos trabalhando para melhorar o aporte de verbas com a divisão de responsabilidades com os ministérios das Cidades e dos Transportes", explicou.

DESMATAMENTO - De acordo com o governador do Mato Grosso, Blairo Maggi, a projeção de desmatamento na Amazônia para o período 2001-2002, de 25 mil quilômetros quadrado, é "pouco em relação à área total da Amazônia". "Esse índice corresponde a apenas 0,5% da Amazônia Legal", disse. Além disso, Maggi assegurou que a soja não é a "vilã" do desmatamento, pois ocuparia apenas 0,9% da área desmatada na região. Segundo ele, não há risco de a fronteira agrícola avançar, por exemplo, no entorno da BR-163 (Cuiabá-Santarém), já que os 20% de área que legalmente podem ser desmatados na Amazônia não permitiram uma "escala de produção", não sustentando a atividade agrícola.

"As obras de infra-estrutura na Amazônia devem ser acompanhadas da criação de Unidades de Conservação para evitar ainda mais pressão sobre os recursos naturais, considerando que existem regiões com altíssimo valor ecológico que precisam ser preservadas", lembrou a ministra Marina Silva.
(MMA)



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.