Equinócio de Outono vai
acontecer na terça- feira

Começa no sábado, 20, a programação do Equinócio de Outono 2003. O fenômeno ocorre duas vezes por ano: em março - que recebe o nome de “Vernal ou Equinócio de Primavera” e setembro - denominado Libra ou Equinócio de Outono. O Instituto de Desenvolvimento do Turismo do Estado do Amapá (Detur) anunciou que este ano o Equinócio ocorrerá na terça-feira, 23. Técnicos do Detur especialistas no assunto prevêem que o fenômeno ocorrerá às 7h47.

O Equinócio acontece quando o sol passa do hemisfério sul para o hemisfério norte, marcando o início da primavera e vice-versa, quando o sol retorna para o hemisfério sul, celebrando a chegada do Outono. Durante o dia, o fenômeno do Equinócio pode ser observado naturalmente, no monumento Marco Zero do Equador, através do obelisco que enquadra o sol perfeitamente, centralizando sobre a Linha Imaginária, partes simetricamente iguais.

PROGRAMAÇÃO- Maria de Fátima Farias da Silva, Gerente Operacional de Revitalização do Detur e uma das coordenadoras do evento, ressaltou que a programação ocorrerá de 20 à 23 deste mês. A abertura oficial será no sábado, às 19h. As atrações serão: Concurso Garota Equinócio 2003 - Representantes dos Núcleos de Apoio as Escolas (NAEs); Desfile da Garota Equinócio 2002 - Adriana Raquel Moura Xavier e Apresentação de Grupos de Danças de Escolas Estaduais.

Domingo e segunda-feira, dias 21 e 22, haverá comercialização de produtos esotéricos, artesanais, medicinais e gastronômicos. Os demais atrativos de domingo e segunda-feira serão: Planetário Móvel Maywaka; Parque Infantil; Oficinas de Arte; Distribuição de Mini Arranjos Florais; Exposição de Ikebanas; Aplicação de Johrei - Energia Vital e Exibição de Fitas de Vídeo com as ações do Detur.

CULTURA- Fátima Farias garantiu que durante a programação haverá ainda exibição da Banda de Música do Corpo de Bombeiro Militar; da Banda Brilho de Fogo e dos Grupos Folclórico Marabaixo da Favela; Marabaixo do Cunani; Grupo Folclórico IAÇA; Grupo de Dança ABCMI/IESAP, Ritual de Saudação ao Astro-Rei (Fundação Mokiti Okada); Alvorada Festiva; Salvas de Canhões, na Fortaleza São José de Macapá; Banda de Música do 3º BIS; Companhia de Dança Afro Baraka; Balões Coloridos e Pombas Brancas. Fátima prevê o encerramento da programação para às 10h, de terça-feira. ( Edy Wilson)


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.