Lula promete atenção e pede
relatório sobre a Br-156

O governador do Amapá Waldez Góes (PDT), avaliou satisfatoriamente o encontro com o presidente da República, Luíz Inácio Lula da Silva, nesta sexta-feira,31, no Palácio do Planalto em Brasília. Um fato, em especial, o deixou entusiasmado: Lula contou ao governador amapaense que durante a visita que fez à França, na semana passada, falou ao presidente francês, Jacques Chirac, que pretende encontrá-lo daqui a dois anos na ponte sobre o Rio Oiapoque, divisa do Amapá com a Guiana Francesa, durante a solenidade de inauguração da obra.

A construção da ponte é um dos principais compromissos firmados no acordo de cooperação bilateral entre Brasil e França, mas até agora a obra não foi iniciada. “Ficamos muito otimistas com esse compromisso do presidente”, disse o governador, falando a jornalistas após a audiência.

A relação transfronteiriça entre Amapá e Guina Francesa foi um dos principais temas do encontro entre Lula e Waldez Góes. Além da ponte, a conclusão da rodovia BR-156 -que liga Macapá a Oiapoque - é outro compromisso assumido pelo governo federal, ainda na gestão de Fernando Henrique Cardoso, para concretizar a ligação terrestre na fronteira internacional. Lula garantiu ao governador do Amapá que a obra será realizada. “O presidente reconhece a posição geopolítica estratégia do Amapá, para viabilizar a relação de cooperação do Brasil com a França”, disse o governador na conversa com os jornalistas.

O governador explicou ao presidente que dos recursos previstos para a rodovia, no orçamento da União em 202, R$ 15 milhões não foram liberados. Este ano, estão previstos mais R$ 32 milhões. Se conseguir liberar os dois montantes, o Estado terá R$ 47 milhões para investir na BR-156 este ano. Lula pediu que lhe seja enviado um relatório com estas informações, para que ele possa acompanhar o processo.

O governador amapaense explicou ao presidente que também serão necessários investimentos para que o município de Oiapoque, no extremo norte do Amapá, possa dispor de um sistema eficiente de energia elétrica. Atualmente, o município utiliza energia termoelétrica, cara e agressiva ao meio ambiente. “Uma das saídas pode ser a construção de um linhão da hidrelétrica de Coaracy Nunes até a fronteira”, avalia Waldez

Tumucumaque
Outro assunto abordado na audiência foi a situação do Parque Nacional Montanhas do Tumucumaque. Na região de fronteira com a Guiana Francesa, o Parque garante que 7,5% da Amazônia estejam dentro de áreas de proteção ambiental.

Como já havia feito no dia anterior, em audiência nos ministérios do Meio Ambiente e da Ciência e Tecnologia, Waldez Góes pediu que o governo federal dê andamento às ações sociais e de infra-estrutura no Estado, previstas como medidas compensatórias no decreto de criação do parque.

Entre as medidas estão a liberação de recursos para o projeto de construção da rodovia BR-210 e a definição de projetos sócio-econômicos para os municípios que cederão áreas para a criação do parque (Laranjal do Jarí, Vitória do Jarí, Pedra Branca do Amapari, Serra do Navio, Porto Grande, Calçoene e Oiapoque).

Durante a audiência, o governador do Amapá entregou ao presidente um relatório contendo os projetos mais relevantes de desenvolvimento econômico e social que o Governo do Estado pretende implantar, contando, para isso, com o apoio do governo federal. Um dos projetos prevê o fortalecimento do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá (Iepa), para que a instituição possa ser uma das planejadoras e gestoras das políticas públicas previstas para o Parque do Tumucumaque.

Outro projeto prevê a aquisição de equipamentos para o Hospital de Especialidades, construção e aquisição de equipamentos para um novo hospital de atendimento de emergências em Macapá e construção de um hospital no município de Oiapoque.

Na área educacional, o Governo do Estado pede apoio federal para o projeto de erradicação do analfabetismo no Amapá e para a criação de novos cursos na Universidade Federal do Amapá, bem como para a contratação de novos professores e servidores técnico-administrativos para a universidade.

O governo amapaense também espera contar com apoio da União para projetos de saneamento ambiental, como o de macrodrenagem urbana dos canais dos bairros Beirol, Pacoval e Perpétuo Socorro, em Macapá.

Ao final da audiência, Lula pediu que Waldez Góes levasse um recado para o povo amapaense. Um recado que certamente deixará a população do Estado otirmista, assim como ficou o governador: “A população do Amapá e o seu governador podem contar com o apoio do presidente da República”.

Marcelo Roza

Tel.: 9112.2740

E-mail: [email protected]



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.