Secretário nega surto de Doença de Chagas no Amapá

"Não existe surto de doença de Chagas no Amapá". Foi com esta afirmativa
que o Secretário de Estado da Saúde, Uilton José Tavares iniciou sua esplanação sobre as suspeitas veiculadas em alguns veículos de comunicação, de que o Igarapé da Fortaleza, distrito de Santana seria um dos locais onde o foco da doença estaria instalado. Segundo ele recentemente a imprensa do Amapá divulgou as informações que estaria havendo um surto de Doença de Chagas e que várias pessoas, entre adultos e crianças, estavam sendo acometidas da doença.

"O que realmente está acontecendo é que algumas pessoas provenientes daquela localidade apresentaram sintomas gerais que poderiam estar relacionados com a doença porém, os exames específicos que confirmam o diagnóstico estão todos com resultado negativo. Os exames QBC e GOTA ESPESSA realizados no sangue são os exames que poderiam confirmar a presença de Doença de Chagas naquele local porém, seus resultados foram negativos. Os exames sorológicos positivos são inexpecíficos e podem dar positivo para várias doenças como Leptospirose, Malária, Citomegalovirose, Sífilis e Toxoplasmose". Afirmou Tavares.

Para dar maior garantia à população estará chegando ao Amapá logo após o carnaval o médico infectologista Aldo Valente, do Instituto Evandro Chagas - de Belém do Pará. O especialista é o responsável pelo acompanhamento dessa doença na Região Norte e estará com uma comitiva formada por outros técnicos do Evandro Chagas fazendo a pesquisa no local a fim de tentarem fechar o diagnóstico. "Vários pacientes, principalmente crianças, estão em tratamento devido os sintomas clínicos serem semelhantes ao da Doença de Chagas, doença que acomete mais pessoas da região Nordeste e Sudeste. O medicamento específico é controlado pela Vigilância Epidemiológica Estadual sob supervisão do Instituto Evandro Chagas visto ser produzido em quantidade reduzida e com exclusividade para o Ministério da Saúde, por este motivo sua dispensação é controlada". Concluiu o Secretário.

DOENÇA DE CHAGAS
Sinônimo: Tripanossomíase Americana
O que é?
Doença causada por um parasita chamado Trypanosoma cruzi que pode manifestar-se de forma aguda ou crônica.
Como se adquire?
Os parasitas ficam alojados no sangue dos triatomas, os famosos barbeiros
ou chupões que se desenvolvem e são liberados nas fezes do bicho quando este pica uma pessoa. Outras formas de contágio são: gestante para seu feto e transfusão de sangue contaminado.
Além do homem, outros animais domésticos e silvestres têm sido infectados, como gato, cachorro, porco, ratos, macacos, tatus, morcegos, gambás.
Os animais de sangue frio não são contaminados.
O que se sente?
Os sintomas da fase aguda ocorrem entre 5 a 15 dias após a picada do inseto e podem ser : manifestações gerais como febre, mal-estar, dor de cabeça, ínguas inchadas, alterações cardíacas leves apresentação do sinal da porta de entrada aparente, denominado chagoma, uma lesão parecida com um furúnculo que não está infeccionado no local da picada do barbeiro.
outro sinal que pode significar contágio é um inchaço nos olhos, como se fosse uma reação alérgica.
Após os sinais de infecção aguda, o paciente pode passar por uma fase sem sintomas que pode durar muitos anos e a Doença de Chagas lhe ser diagnosticada pelos sintomas de infecção tardia, causadora de várias alterações, principalmente cardíacas e digestivas.
Sem tratamento, a gestante pode contaminar seu feto, denominado de infecção congênita, mas a maioria dos bebês tem morte prematura devido a gravidade dos casos.
Como se faz o diagnóstico?
Tanto pelos sintomas clínicos como por exames específicos de laboratório, um deles realizado somente pelo laboratório central do estado (LACEN).
Como se trata?

Medicações específicas dosadas pelo peso do paciente. O tratamento dos sintomas cardíacos ou digestivos depende diretamente dos outros sintomas.
Como se previne?
A prevenção se dá principalmente:
pela eliminação dos barbeiros dentro das casas
pela melhoria das construções
pelo uso de inseticidas.
É necessário cuidados nos bancos de sangue para evitar transfusões de amostras contaminadas através de fiscalização e controle de qualidade.
Não há prevenção da forma congênita.
É uma parasitose do continente americano. No Brasil se estende por todo o
território onde os casebres mais humildes estão infestados de insetos como o barbeiro, principalmente nas áreas rurais.

Randolph Scooth




Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.