O alerta do HPV (papilomavírus humano)
LUCIANA SOBRAL
ANTÔNIO MARINHO

Transmitido por relações sexuais, o vírus atinge geralmente os jovens e pode causar câncer se não for tratado precocemente. Médicos brasileiros já testam uma vacina que poderá impedir a infecção pelos tipos mais comuns do vírus Freqüentemente confundido com o vírus HIV pela semelhança do nome e da via de transmissão, o HPV (papilomavírus humano) é hoje a doença sexualmente transmissível mais freqüente na população feminina brasileira, principalmente a jovem. Estima-se que no Brasil uma em cada quatro mulheres esteja infectada pelo vírus ? responsável pelo aparecimento de verrugas e lesões nos órgãos genitais. Na faixa etária dos 20 aos 30 anos, a situação é ainda mais alarmante: quase uma em cada duas jovens tem o problema, sendo que a maioria até mesmo desconhece a existência do HPV e sua pior complicação ? o câncer de colo de útero. No caso dos homens, não há estatísticas confiáveis pela falta do hábito de fazer o exame específico.

Por ser o grupo de maior risco, as jovens estão sendo alvo de uma grande pesquisa mundial, que inclui o Brasil, que pode levar a uma vacina contra o vírus. Quinze centros de estudos brasileiros estão recrutando mulheres entre 16 e 23 anos para participar dos testes. Se confirmada sua eficácia, a vacina poderá salvar milhares de vidas, já que no país, cerca de 4 mil mulheres morrem a cada ano em decorrência do câncer de colo de útero, segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca). "O HPV está presente em 99% dos casos desse tipo de câncer", diz o oncologista e pesquisador Ronaldo Costa, do Hospital do Câncer e do Instituto Brasileiro de Combate ao Câncer (IBCC).

O início precoce da atividade sexual, a troca excessiva de parceiros, a resistência ao uso da camisinha e a própria sensibilidade do sistema imunológico das jovens são alguns dos fatores que as tornam as principais vítimas da infecção. "Com o início da vida sexual, a jovem passa a se expor ao vírus, sem ter nenhum tipo de anticorpo contra o problema, o que não acontece com mulheres de maior experiência sexual", explica o ginecologista
Fábio Laginha, médico responsável pelo setor de Oncologia Genital do Hospital Pérola Byington.

Estudo da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) mostrou que das 453 mulheres com infecção pelo vírus, 61,1% tinham menos de 30 anos e 24,2%, menos de 20 anos. Em sua última consulta ao ginecologista, a publicitária Cristiane Gomes, de 25 anos, fez o exame preventivo de rotina. Ao receber o resultado, levou um susto: tinha infecção por HPV. "Muita gente leva susto no consultório quando descobre o problema", comenta Costa.

Segundo os médicos, há mais de 100 tipos de papilomavírus humano, sendo que um terço deles atinge a região genital. A infecção está dividida em duas categorias: baixo risco e alto risco, dependendo do tipo de vírus. O HPV de baixo risco (os tipos 6, 11, 40, 42 e 43) geralmente se manifesta na forma de verrugas, que se desenvolvem principalmente na vulva, na vagina, no ânus e no pênis.

"Esses casos são mais simples e não evoluem para lesões pré-malignas ou malignas", ressalta o ginecologista Edison Fedrizzi, professor da Universidade Federal de Santa Catarina. "Muitas vezes, o vírus não se manifesta ou até mesmo regride naturalmente, já que, em alguns casos, o próprio sistema imunológico combate de maneira eficiente a infecção", completa.
Vale lembrar que qualquer pessoa infectada produz anticorpos contra o vírus, mas nem sempre na quantidade e eficiência suficientes para acabar com o problema.

Vírus causa vários tipos de câncer

O HPV é responsá-vel por 15% dos tumores na vulva, vagina, no colo do útero e no pênis. Somente no Brasil a doença atinge 17 mil mulheres por ano e os dados preocupam os médicos. Os pacientes infectados pelos subtipos de alto risco (16, 18, 31, 33, 45, 51 e 59) ou oncogênicos do HPV precisam estar atentos. Cerca de 15% dos casos de câncer de vulva, vagina, pênis e ânus estão relacionados ao vírus, sem contar o câncer de colo de útero, a maior preocupação dos médicos. "Em praticamente todos os casos de câncer de colo de útero, o HPV está presente", lembra o ginecologista Rosires Pereira de Andrade, do Centro de Reprodução Humana e Fertilização Assistida (Cerhfac), de Curitiba. Só no Brasil, esse tumor atinge 17 mil mulheres por ano.

Apesar desses dados assustadores, o HPV oncogênico precisa de anos para causar uma infecção maligna. Menos de 1% das infectadas desenvolve o tumor de colo de útero só pelo fato de o vírus estar presente. Há uma série de fatores que aumenta a possibilidade de a infecção se tornar câncer. Entre eles, baixa imunidade, tabagismo, outras doenças sexualmente transmissíveis, alterações hormonais, propensão genética, tipo do vírus e carga viral.

Como são os mais freqüentes na população brasileira e talvez mundial, os subtipos 6 e 11 (baixo risco e responsáveis por 90% das verrugas genitais) e 16 e 18 (alto risco, responsáveis por 70% das infecções pré-malignas e malignas) foram os escolhidos para compor a vacina (em fase de testes).

Comportamento

Enquanto a prevenção ou a cura não chegam, os pesquisadores se desdobram para conhecer melhor o comportamento do vírus. Nos últimos anos, eles perceberam que o HPV pode se apresentar de forma clínica (com lesões visíveis a olho nu, como as verrugas), subclínica (diagnosticado com o auxílio de exames como o Papanicolaou ? raspagem da mucosa vaginal e do colo do útero, a colposcopia ? exame do colo do útero ? e a peniscopia ?
exame do pênis) e técnicas da biologia molecular.

Segundo o ginecologista Fábio Laginha, a maioria dos casos se manifesta na forma subclínica e latente. "A principal forma de infecção é o contato sexual. Por isso, as pessoas precisam usar camisinha. O tempo de início da contaminação ao aparecimento das lesões varia de um a oito meses. Mas, muitos portadores não apresentam lesões", diz.

Embora o vírus afete homens e mulheres na mesma proporção, eles levam vantagem porque são mais resistentes ao vírus. Segundo o ginecologista Edison Fedrizzi, o epitélio que recobre o pênis é formado por células muito mais resistentes do que o epitélio do colo do útero, que tem células mais frágeis. "O colo é mais propenso a microtraumas, que facilitam a entrada do vírus, do que o pênis", conta o médico.

Além disso, a vagina é um ambiente propício para a disseminação de qualquer microorganismo, pois é quente e úmida. Resultado: é muito mais raro o homem desenvolver um tumor a partir do HPV. Segundo o urologista Charles Rosenblatt, do Hospital e Maternidade São Luís, o papilomavírus é a segunda causa de câncer de pênis, um tumor ainda pouco freqüente no Brasil.

Mas, isso não isenta os homens do diagnóstico precoce e do tratamento. Para as mulheres, a descoberta do vírus pode começar num simples exame clínico ou no preventivo Papanicolaou. "Se o resultado desse teste mostrar alguma alteração, solicitamos uma colposcopia e, se necessário, uma biópsia.

Juntos, eles indicam o causador dessa infecção", explica Fedrizzi. "Caso seja o HPV, antes de determinarmos o tratamento, pedimos mais um exame, a captura híbrida, que nos dá o grupo e a carga viral", completa o oncologista Ronaldo Costa. Para os homens, a peniscopia é a melhor forma de diagnosticar a infecção.

A ginecologista Maria José de Camargo, do Instituto Fernandes Figueira, da Fiocruz, diz que o risco de infecção por HPV é semelhante para homens e mulheres. "Na maioria dos casos, quando um parceiro está contaminado, o outro também está", ressalta.

O exame de Papanicolaou deve ser realizado anualmente ou a cada três anos, dependendo da avaliação do médico. "Se a mulher tem apenas o vírus e não apresenta alterações nas células do colo do útero, não há o que fazer. Basta o acompanhamento médico de rotina", conclui.

Infecção também pode regredir sem tratamento

Não há tratamento padrão para a infecção por HPV. Pode ocorrer a combinação de mais de um método e a escolha dependerá do tipo, da localização e da extensão da lesão. Apesar de não haver cura, assim como acontece com todos os vírus, o HPV pode ser controlado. Segundo o ginecologista Edison Fedrizzi, se o vírus estiver latente, ou seja, presente e sem lesão, não há risco de se transmitir a doença para o parceiro. "O grande risco é quando existe lesão", explica o médico.

Os médicos podem optar por destruir as lesões com a aplicação de medicamentos, cauterizações, eletrocirurgia e até laser. Há o consenso de que em alterações pré-malignas é melhor fazer a eletrocirurgia, que consiste em cortar a superfície do colo de útero atingida. Casos simples devem ser observados porque pode haver regressão espontânea. "Cremes abrasivos não são eficazes e não eliminam os vírus completamente", afirma a ginecologista Maria José de Camargo.

Uma medida importante é reforçar o sistema imunológico. "O vírus pode voltar com a baixa do sistema imune. É preciso se alimentar bem, não fumar, não beber álcool e evitar o estresse. Recomendo comer muitas frutas e vegetais, pois são ricos em vitaminas A e C e em ácido fólico", diz Fedrizzi.

Centros de pesquisa recrutam mulheres para testar vacina

O Brasil é um dos principais países que está testando a vacina contra o HPV. Para alcançar sua meta, os 15 centros de estudo envolvidos no projeto precisam de voluntárias até o 31 de março. Por enquanto, pouco mais de mil mulheres se candidataram aos testes. "Nosso alvo são 2.500 voluntárias", diz o oncologista Ronaldo Costa.

Os pesquisadores garantem que a vacina, desenvolvida pelo laboratório Merck Sharp & Dohme, é segura, pois foi criada com partículas semelhantes ao HPV por meio da engenharia genética. "A mulher que testar a vacina não vai ter a doença, pois não há vírus ativo no produto", ressalta Costa. "Estudos anteriores já comprovaram sua segurança", ressalta.

A vacina foi criada para prevenir as mulheres da infecção pelos subtipos 6, 11, 16 e 18 do HPV, os que mais atingem a população brasileira. Os cientistas estão bastante esperançosos, já que um estudo, divulgado no "New England Journal of Medicine", com uma vacina contra apenas o subtipo 16 mostrou bons resultados.

"Baseado nos resultados obtidos até agora, que incluem uma parte realizada no Brasil e outra nos Estados Unidos, a expectativa quanto a eficácia desta vacina quadrivalente é das melhores", comenta a pesquisadora Luisa Villa, do Hospital do Câncer. Se os estudos em andamento continuarem confirmando sua eficácia, a especialista espera ver a vacina no mercado em cinco anos.

As jovens entre 16 e 23 anos interessadas em participar dos testes devem procurar um dos centros de pesquisa abaixo. Elas precisam ter boa saúde, não estarem grávidas e nunca terem contraído o HPV.




Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.