TJAP E PMM FIRMAM CONVÊNIO
PARA RESSOCIALIZAR APENADOS

A prefeitura de Macapá passa a contar, a partir de agora, com mais um reforço de mão de obra, nos serviços gerais de paisagismo e manutenção dos logradouros públicos da cidade, como praças e jardins. Convênio assinado na manhã de ontem (1º/04) com o Tribunal de Justiça do Estado, através da Vara de Execuções Penais, permitirá que, inicialmente, 10 presos, de ambos os sexos, que cumprem pena em regime semi-aberto no Complexo Penitenciário de Macapá- COPEM, participem desse trabalho.

A solenidade de assinatura do convênio ocorreu no gabinete da Presidência do Tribunal de Justiça do Estado e contou com a presença do Presidente do órgão, desembargador Edinardo Souza, do prefeito João Henrique, de secretários do município e diretores do judiciário.

O objetivo do programa é promover a ressocialização do apenado através da capacitação e alocação no mercado de trabalho e contribuir para a diminuição da população carcerária. Os participantes serão indicados pela Vara de Execuções Penais e terão uma carga horária de 40 horas semanais recebendo, mensalmente, setenta e cinco por cento do valor do salário mínimo vigente, vale transporte e alimentação cujas despesas ficarão a cargo da Prefeitura de Macapá. O convênio tem a vigência de um ano e, prevê dispêndios de R$ 46.000,00 (quarenta e seis mil reais) no período.

O prefeito João Henrique festejou mais uma parceria com o Tribunal de Justiça (a PMM participa da Justiça Itinerante Fluvial) e garantiu que o ato reflete a preocupação do município e do judiciário amapaense com as questões que afligem a sociedade, como a população carcerária. "São pessoas que deixam a penitenciária e vão contribuir com a sua força de trabalho para o embelezamento da cidade, ao mesmo tempo em que se reintegram à sociedade com dignidade, representando um ganho para todos nós", sentenciou o prefeito, lembrando que o número de participantes poderá aumentar no futuro.

Para o presidente do Tribunal de Justiça o programa, apesar de representar mais despesa para município tem um objetivo "sublime que é a reinserção daqueles que ficaram segregados durante muito tempo e que agora tem a oportunidade de melhor convívio familiar e de buscar melhor condição de vida, num contato mais próximo com a sociedade", destacou.

Assessoria de Imprensa do Tribunal de Justiça

 



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.