Tribunal de Justiça do Amapá
arquiva queixa contra o juiz

O pleno do tribunal de Justiça do Amapá reunido hoje pela manhã, decidiu não receber e determinou o arquivamento da queixa-crime apresenta pelo governador João Alberto Capiberibe contra o juiz Constantino Brahúna por difamação e calúnia. Em 2000, quando integrava o conselho de administração da Amprev - Amapá Previdência sucessora do extinto Ipesap, Brahúna convocou uma coletiva marcada para o escritório do então advogado do presidente da Assembléia Legislativa, deputado Fran Júnior, PMDB, acusado de corrupção e com o crime organizado. Durante a coletiva Brahúna disse que iria "despir a toga para vestir pele de cidadão", denunciando o desvio de R$ 3.7 milhões aproximadamente, que deveriam ter sido depositados na conta da Amprev. Essa "denúncia" aconteceu no meio do ano, e mesmo dia, à tarde, o ex-presidente do Ipeap e presidente da Amprev José Roberto Galvão disse pela Rádio Difusora que não tinha a menor idéia de onde o juiz Brahúna tinha tirado essa conclusão, mas afirmava que a denúncia do juiz não tinha procedência. Dois dias depois a Amprev fez divulgar pelos meios de comunicação um documento do Banco do Brasil, que comprovava estar o dinheiro depositado desde o final de dezembro do ano anterior.

Com base nesses documentos o governador entrou com uma queixa-crime contra o juiz. Hoje, dois anos depois e como parecer do relator, desembargador Mário Gurtyev o Tribunal arquivou o processo. Hoje pela manhã durante uma entrevista dada ao programa Revista Matinal, da Rádio Difusora, o governador Capiberibe disse ter quase certeza de que o pleno do Tribunal rejeitaria a queixa-crime, à tarde ao tomar conhecimento da decisão Capiberibe não se mostrou surpreso e disse que vai apelar às instâncias superiores..

Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433


Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.