Sarney diz ter autorizado saque na véspera

FERNANDO RODRIGUES
Da Folha de S. Paulo, em Brasília

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), disse ontem ter dado uma ordem para retirada de todas as suas aplicações no Banco Santos na última quinta-feira, dia 11, véspera da intervenção do Banco Central naquela instituição. "Eu dei a ordem para movimentar na quinta-feira. Se fizeram na sexta, não sei", disse Sarney em uma rápida entrevista telefônica ontem, às 12h47.

Segundo a assessoria da presidência do Senado, Sarney embarcou no meio da tarde para Macapá (AP), onde receberia o título de doutor honoris (título universitário sem curso nem exame, como pura homenagem) do Centro de Ensino Superior do Amapá.

O senador já havia admitido anteontem ter retirado dinheiro do Banco Santos. Em nota, disse: "Eu, como centena de correntistas, em face dos rumores publicados na imprensa e existentes na praça sobre o Banco Santos, transferi meus depósitos, produtos da venda da minha fazenda Pericumã, para o Banco do Brasil, depósitos estes constantes da minha declaração de Imposto de Renda, há dois anos".

A Folha perguntou ontem ao presidente do Senado o valor da retirada. "É um assunto da minha privacidade", respondeu Sarney. Segundo ele, trata-se de "dinheiro pessoal", sobre o qual não tem a necessidade de dar satisfação: "Vendi o Pericumã há uns três anos. Estou protegendo um patrimônio meu de 30 anos. Comprei o Pericumã há 30 anos".

A última declaração de bens pública de Sarney é referente ao ano de 1997. Foi entregue à Justiça Eleitoral do Amapá em 1998, quando ele se candidatou ao seu mandato atual de senador.

Nessa declaração, a fazenda de 268 hectares São José do Pericumã, localizada nos arredores de Brasília, na cidade goiana de Luziânia, está listada com o valor de R$ 278 mil. O mesmo documento aponta que as benfeitorias no local valiam R$ 1,180 milhão. Total: R$ 1,458 milhão.

Sarney também declarou ter, em 31 de dezembro de 1997, cotas do fundo de investimento Maxi Money do Banco Santos, cujo valor era de R$ 270,7 mil.

Somados os valores da fazenda Pericumã, das benfeitorias no local e das aplicações que tinha no Banco Santos em 1997, o presidente do Senado tinha R$ 1,728 milhão na instituição de seu amigo Edemar Cid Ferreira.

Na quinta, dia 11, quando mandou retirar todo o seu dinheiro do Banco Santos, Sarney recebeu o dono da instituição para uma reunião extra-agenda, na presidência do Senado. Edemar Cid Ferreira estava em Brasília tentando salvar seu banco. Passou no Senado para conversar com o amigo.

O encontro entre Sarney e Edemar Cid Ferreira foi confirmado à Folha pela assessoria de comunicação da presidência do Senado. Não está registrada a hora em que ocorreu a reunião, por ter sido fora da agenda oficial.

Sarney negou à Folha ter recebido informações privilegiadas para retirar seu dinheiro do Banco Santos antes que a instituição sofresse intervenção. Apesar de ser amigo de Edemar Cid Ferreira, o presidente do Senado diz que soube da situação ruim do banco por meio de seu assessor, Fernando César Mesquita. "Foi o Fernando quem comentou comigo, faz uns dez ou quinze dias, disse.


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.