Eletronorte Amapá Mantém Geração de Energia com Sobra


De acordo com o planejamento da Eletronorte para este ano, a Usina Hidrelétrica Coaracy Nunes - UHCN, ganhará mais 20% de geração hidráulica na Unidade Geradora 01, que está em manutenção, passando pelo moderno processo de Repotenciação para aumentar a potência da máquina em mais 4 MW, passando de 20 para 24MW. A manutenção começou em dezembro/04 com a previsão de conclusão dos trabalhos para o final de maio/05, aproveitando o período de seca, quando normalmente é reduzida a geração hidráulica.

A mesma tecnologia foi aplicada no ano passado para melhorar o desempenho da Máquina 02. As duas unidades geradoras entraram em operação comercial em novembro de 1975, completando no final do corrente ano, três décadas de produção de energia na primeira hidrelétrica da Amazônia, berço da Eletronorte.

Para suprir a necessidade da máquina em manutenção na UHCN, a Eletronorte contratou um produtor independente de energia térmica, por seis meses, com os mesmos 20 MW. Segundo o Gerente Regional da Eletronorte, engenheiro Marcos Drago, “é como se a máquina 01 do Paredão não tivesse parado. Não há redução da produção de energia no nosso Sistema. A única diferença é que aumenta o consumo de óleo diesel, mas não provoca nenhum tipo de prejuízo na geração que atende a nossa população, atendendo toda a demanda”, explica o eng. Drago.

A diminuição da geração na UHCN já ocorre naturalmente no período de baixa hidraulicidade do rio Araguary, de outubro a dezembro. “Este é um período atípico, para o mês de janeiro. É uma das maiores secas das últimas décadas. As chuvas que começaram a cair já melhoraram um pouco a vazão do Araguary, permitindo um aumento na geração de energia na hidrelétrica Coaracy Nunes, dentro dos 54 MW disponíveis, produzidos pelas Unidades geradoras 02 e 03”, afirma o eng. Drago.

De 16 de janeiro, domingo, até hoje, dia 20/01, a vazão do Araguary subiu de 113 para 156, um acréscimo de apenas 43 m3/s nas águas que chegam ao reservatório da UHCN, bem diferente dos anos anteriores. A causa é a demora e as poucas chuvas, até agora, nas cabeceiras e afluentes do rio araguary. Nesta época do ano, com as chuvas intensas, a vazão natural do rio deveria chegar entre 250 a 300 m3/s.

Normalmente, no período do verão aumenta o consumo de diesel na geração térmica, como agora, entre 450 a 600 mil litros por dia, dependendo da intensidade do verão, para compensar a redução na produção hidráulica, sendo que no período das chuvas o consumo de combustível na UsinaTérmica cai, em média, para 350 mil litros/dia.
“A produção do momento atende plenamente à demanda de energia elétrica no Estado e está sob controle, uma vez que a disponibilidade nas unidades geradoras das usinas de geração térmica de Santana e hidráulica, em Ferreira Gomes, atende com toda a tranqüilidade o consumo atual; além disso, o Centro de Operação do Amapá - COR/AP, acompanha todos os dados hidrológicos da usina Coaracy Nunes, bem como o controle do estoque do combustível necessário para o atendimento do consumo local”, garante o eng. Robson Marques, gerente do COR/AP.

A carga máxima do consumo de energia elétrica no sistema da Eletronorte Amapá varia entre 110 e 115 MW e a produção hidrotérmica disponível hoje é de 170 MW, com uma geração de sobra para suprir qualquer emergência.



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.