Waldez homologa decretos de estado
de emergência em quatro municípios

Ao desembarcar no aeroporto de Macapá, à tarde de hoje, o governador Waldez Góes (PDT) assinou a homologação de decretos dos prefeitos de Calçoene, Pracuúba, Amapá e Oiapoque, que estabelece situação de emergência naqueles municípios, em decorrência da situação em que se encontra a BR-156, no perímetro a partir da comunidade do Cujubim, no quilômetro 245 ao município do Oiapoque.

A elevada precipitação das chuvas naquela região, tornaram o trecho impraticável para o tráfego de veículos. Ainda do aeroporto, a decisão foi imediatamente levada ao conhecimento do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, bem como ao Ministério dos Transportes e ao Ministério da Integração Nacional.

As conseqüências demonstradas nas decisões tomadas pelos gestores dos município envolvidos, provocam o racionamento de combustíveis, gás de cozinha, gêneros alimentícios, medicamentos, além do transporte de passageiros. No que se refere ao combustível, só o Oiapoque consome 60 mil litros do produto mensalmente e isto ameaça até o abastecimento de energia elétrica, de vez que a CEA utiliza o combustível para sua usina termo-elétrica. Com isso a situação econômica e social das comunidades sinistradas se agrava, daí a medida emergencial adotada com aval do governador.

Waldez Góes adiantou em encontro com a imprensa local, que o governo tomará todas as providências necessárias para evitar o caos naquelas comunidades, principalmente no que diz respeito ao abastecimento da população.

Ainda falando aos repórteres sobre a questão da conclusão da rodovia BR-156, o governador demonstrou preocupação em potencializar um sistema de trabalho no período do verão, afim de que os trabalhos da estrada sejam concluídos, possivelmente, antes do término da ponte sobre o rio Oiapoque, para evitar uma dissociação entre as duas obras. Waldez ainda lamentou a situação atual da rodovia, por falta de uma atenção maior do governo no verão do ano passado.

Falando sobre a construção da BR, o diretor do Ministério dos Transportes, Irani Dutra de Siqueira, explicou à imprensa que para este ano de 2003, só depois de uma reunião entre o Ministério dos Transportes e Ministério do Planejamento, é que sairá a definição de quanto será o limite a ser liberado para a rodovia do Estado do Amapá. Por outro lado, ele ressaltou que a obra da BR-156 está classificada no patamar de “gerenciamento intensivo”, que significa tratar-se de uma obra especial, ou ainda, prioritária.

Leal Di Souza



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.