HOLANDESES CHEGAM NO VALE DO JARI E INICIAM INTERCÂMBIO COM FUNDAÇÃO ORSA

Fundação Orsa e organização interclesiástica holandesa levarão jovens para curso profissionalizante na Holanda

Amanhã, dia 22 de outubro, chegam no Vale do Jari (divisa do Pará com Amapá) nove famílias holandesas que fazem parte do projeto de intercâmbio entre a Fundação Orsa e a ICCO (Organização Interclesiástica para Cooperação ao Desenvolvimento, sediada na Holanda) para profissionalização de jovens e desenvolvimento sustentável da região. As famílias vêm conhecer a realidade da região, a Unidade Jari da Fundação Orsa e o Programa de Geração de Riquezas desenvolvido pela entidade.

Todo esse movimento começou quando a Fundação Orsa levou o grupo folclórico Magia de Tupã, formado por 16 crianças e adolescentes, para representar a Amazônia em um evento na Frieslândia, em novembro passado. “A viagem abriu novos horizontes não só para os integrantes do Magia, mas para toda a comunidade”, afirma Vinícius Tibúrcio, coordenador da Unidade Jari da Fundação Orsa.

O primeiro passo do intercâmbio entre Holanda e Vale do Jari está relacionado ao COPP (Centro de Oportunidades e Potencialidades Profissionalizantes) da Fundação Orsa que está formando jovens na Escola da Madeira, para fabricação de brinquedos pedagógicos e pequenos objetos em madeira. A ICCO está intermediando, junto a EDUCANS (instituição educacional da Holanda), o processo de capacitação dos jovens empreendedores na cadeia da madeira, envolvendo desde o design, qualidade, até a logística e mercado.

Cinco adolescentes já devem embarcar para a Holanda no ano que vem. Segundo o coordenador da Fundação Orsa, os critérios para seleção ainda estão sendo estudados, mas, com certeza, a prioridade será para os jovens atendidos pelos projetos sociais da Fundação e comprometidos em aplicar e disseminar as experiências adquiridas no exterior em prol de melhorias da qualidade de vida das comunidades do Vale do Jari, criando e ajudando na busca de alternativas sustentáveis de geração de renda.

De acordo com Tibúrcio, o intercâmbio com a ICCO também deu conseqüência à parceria entre Fundação Orsa, OELA (Oficina Escola Lutheria da Amazônia, em Manaus) e FASE (Federação para Assistência Social e Educacional em Gurupá - PA), visando a socialização de conhecimentos na área da madeira entre os jovens atendidos por essas organizações. Com o apoio da ICCO, essa parceria resultará numa rede para a comercialização junto ao mercado holandês, já interessado em adquirir os produtos. “A Escola da Madeira continuará responsável pela fabricação de brinquedos e pequenos objetos em madeira; a OELA, pela produção de instrumentos musicais e objetos em madeira; a FASE, pelas experiências em marchetaria e pequenas peças em madeira”, afirma o coordenador da Fundação Orsa.

O apoio da ICCO prevê investimentos na Escola da Madeira da Fundação Orsa, OELA e FASE para a aquisição de novos equipamentos e capacitação dos jovens, com o intuito de aprimorar os produtos a serem comercializados nos mercados doméstico e exterior . Isso, segundo Vinícius, é mais um incentivo aos jovens para que, ao saírem do projeto, possam formar, por meio de associações ou cooperativas, um empreendimento sustentável. “Esse intercâmbio é mais um passo do Grupo Orsa na sua missão de promover um modelo de desenvolvimento sustentável para Amazônia”, conclui Tibúrcio.

Programa Geração de Riquezas da Fundação Orsa


O Programa de Geração de Riquezas da Fundação Orsa tem como objetivo proporcionar o desenvolvimento humano e sustentável das comunidades onde a Fundação Orsa atua. Seu foco é a geração de renda, o resgate da auto-estima e o desenvolvimento de aptidões individuais e comunitárias. Dentre os projetos que fazem parte do Geração de Riquezas estão: Minha Vez; Realizando Sonhos; Centro de Excelência da Mulher (CEM*); Centro de Oportunidades e Potencialidades Profissionalizantes (COPP*); Desenvolvimento Local; Riquezas da Comunidade e Biosistema Integrado e Saneamento Ambiental.

CEM - O objetivo é recuperar a auto-estima e melhorar a qualidade de vida das mulheres chefes de família do Vale do Jari para que possam garantir o desenvolvimento de seus filhos. Promove oficinas e palestras sobre inclusão social e formação política da mulher, além de despertar e incentivar habilidades para que essas mulheres busquem a autonomia.

COPP - Destinado a jovens entre 16 e 26 anos do Vale do Jari, o COPP oferece orientação vocacional e cursos profissionalizantes na Escola da Madeira e na Escola de Produção Familiar Rural, aproveitando os recursos naturais da região.

Biosistema Integrado - É um projeto de cunho socioambiental que se fundamenta em técnicas orientais milenares de tratamento de água e esgoto, tendo como foco o saneamento ambiental integrado às alternativas de geração de renda nas comunidades. Essa tecnologia está sendo replicado no Vale do Jari a partir da parceria entre Fundação ORSA, Fundação Banco do Brasil, Associação dos Moradores do Loteamento Sarney, e Prefeitura Municipal de Laranjal.

A Fundação Orsa

A Fundação Orsa completa 10 anos em 2004 e tem como missão a formação integral de crianças e adolescentes em situação de risco pessoal e social. Ela atua como Sementeira, estabelecendo modelos de propostas com objetivo de criar, influenciar e melhorar políticas públicas. Com atuação nas áreas de Educação, Saúde e Promoção Social, a Fundação Orsa realiza mais de 1 milhão de atendimentos/ano, trabalho realizado dentro de um planejamento de longo prazo graças ao repasse de 1% do faturamento bruto anual das empresas do Grupo Orsa e aos recursos de diversas parcerias.

Thais Aguiar




Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.