Sala da Memória do Forte é criada
para preservar história da
Fortaleza de São José de Macapá

No dia em que completou 221 anos de fundação, no dia 19 de março, o monumento histórico da Fortaleza de São José de Macapá ganhou um espaço criado especialmente para preservar sua história.

A “Sala da Memória do Forte” foi idealizada pelo novo administrador do monumento, professor Paulino do Rosário, e nasceu, segundo ele, para sanar as dificuldades que os visitantes têm em conseguir informações sobre o forte.
“Esse sempre foi um dos principais problemas enfrentados por turistas e estudantes. Daí a necessidade de se criar esse espaço onde pretendemos concentrar todos as informações existentes sobre a Fortaleza”, afirmou o diretor do forte.
Na Sala da Memória serão abrigados textos, fotos, poemas, artesanato, documentos, pinturas, matérias jornalísticas, trabalhos escolares, fólderes e outros materiais que tenham como enfoque principal a Fortaleza de Macapá.
“Todas essas informações ficarão disponíveis ao público para pesquisa. Nós pretendemos com isso socializar essas informações para que possamos divulgar cada vez mais o nosso principal monumento histórico”, explicou Rosário.
Para conseguir esse acervo, a direção do forte pretende lançar uma campanha de esclarecimento pedindo a colaboração da população. A intenção é fazer com que as pessoas doem esse material que possuem em casa.

“Sabemos que há muito material sobre a Fortaleza espalhado por aí. Então estamos solicitando que a população colabore conosco. A todos que fizerem doação iremos entregar um certificado como reconhecimento do seu gesto para com a história e a cultura do Amapá”, afirmou.

Outro projeto que já está em andamento, é a revitalização e revisão do projeto de utilização do espaço para que ele seja melhor aproveitado. A partir dessa iniciativa, Paulino do Rosário acredita que será possível incluir a Fortaleza como uma das principais atrações do Corredor Cultural de Macapá, que começa no Curiaú, passa pela orla do Perpétuo Socorro, complexo Beira-Rio, Araxá e termina em Fazendinha.

“’E preciso que se entenda que a Fortaleza e a cidade de Macapá não podem viver dissociadas. Uma está interligada a outra. Basta lembrar que a cidade nasceu a partir da construção da Fortaleza. Por isso queremos incluí-la no Corredor Cultural de Macapá. E fazendo isso não estaremos inventando nada. Apenas passaremos a cumprir uma determinação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional”, lembrou.

Joel Elias

 


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.