Amapá participa de operação franco-brasileira
na área de Segurança Pública

O Amapá participou de uma reunião de avaliação da operação franco-brasileira, que foi desencadeada a uma semana pelas polícias brasileira e da Guiana Francesa. O encontro aconteceu na cidade de Saint Georges, fronteira com Oiapoque no sábado 18. A operação, denominada pelos franceses de “Anaconda”, tem intensificado dentro dos dois municípios o combate ao tráfico de drogas, armas, biopirataria, prostituição infanto-juvenil, comércio ilegal, entre outros.

Do lado brasileiro participam as polícias Federal, Civil e Militar, que em parceria com as policiais francesas se empenham para diminuir esses tipos de crimes na fronteira. A operação tem se concentrado também em garimpos existentes no lado francês, onde brasileiros são encontrados e deportados para o Estado de origem.

Antônio José Silva Soares, secretário de Estado de Segurança Pública, disse que uma das preocupações da polícia do Amapá é quanto ao tratamento dispensado a brasileiros que estão ilegalmente na Guiana Francesa. “Essa integração entre as duas policias é importante para continuarmos essa relação de respeito mútuo e confiabilidade”.

CRIMINALIDADE- Soares acredita que o fluxo excessivo de pessoas, especialmente estrangeiros vindos do Platô das Guianas devido à valorização do Euro no mercado brasileiro, tem contribuído para o aumento da criminalidade dentro da cidade de Oiapoque.

O encontro em Saint Georges contou com a presença da ministra de Além-Mar, Brigitte Girardin, que veio para ouvir dos chefes da operação os primeiros resultados do trabalho. A ministra considerou fundamental o trabalho em conjunto entre as polícias brasileira e francesa com o objetivo de manter a ordem pública, diminuindo os crimes originários das duas fronteiras. Brigitte estava acompanhada do ministro do Turismo da França, Leon Bertrand.

A operação se concentra na Vila Brasil, Ilha Bela, garimpos e até áreas urbanas das cidades. Cada órgão envolvido na missão terá até o dia 28 para apresentar relatório de avaliação da operação.

TURISMO- A secretária de Estado de Turismo do Amapá, Fátima Pelaes, que também participou da reunião em Saint Georges, tem consciência que investir em segurança pública, é aumentar o turismo local. “Oiapoque é a principal porta de entrada de turistas e visitantes franceses. O investimento para asfaltar a BR- 156 atrairá muito mais turistas e sem dúvida precisaremos melhorar o nosso receptivo”.

Fátima Pelaes aproveitou sua estada em Oiapoque para conversar com os donos de hotéis e restaurantes com este propósito: orientá-los para melhorar o atendimento. Fátima também conversou com o ministro do turismo francês, Leon Bertrand, visando a possibilidade de parcerias entre o Amapá e o governo francês para tratar da viabilidade e fomentação do eco-turismo entre as duas fronteiras.

EDY WILSON SILVA



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.