Balança comercial do AP tem superávit de mais de US$ 11 milhões

A balança comercial amapaense registrou este ano um saldo de US$ 11,52 milhões. Até outubro, as exportações já haviam contabilizado ao Estado US$ 38,87 milhões, enquanto as importações totalizaram o correspondente a US$ 27,35 milhões.

Esse volume de venda representa um aumento em torno 100% com relação aos 12 meses do ano passado. Em 2003, as vendas ao exterior movimentaram US$ 19,56 milhões, gerando um superávit de US$ 14,58 milhões ao Estado.

Assim como o país, o Amapá também tem conseguido ampliar o intercâmbio comercial com outros países, impulsionado pela diversificação de produtos oferecidos aos exportadores. Só este ano (de janeiro a outubro), as exportações do Estado aumentaram em 159, 98%.

O melhor desempenho na balança comercial amapaense em 2004 foi registrado em junho, quando foram exportados US$ 10,97 milhões e importados US$ 3,87 milhões (superávit de US$ 7,09 milhões). Esse crescimento se deve ao processo amplo de diversificação da pauta de exportação e também da entrada de mercados não tradicionais, principalmente o Oriente Médio (Líbano e Jordânia), Ásia (Cingapura, Hong-Kong) e de alguns países da América do Sul e Caribe, como a Bolívia, Colômbia, Guadalupe e Porto Rico.

Segundo o secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento Indústria e Comércio Exterior, Ivan João Guimarães Ramalho, ao mesmo tempo que há diversificação de produtos, novos empresas também estão se habilitando às exportações no Amapá. Ramalho está em Macapá, participando do Encomex (Encontro Nacional de Comércio Exterior), aberto quinta-feira, 18, e encerrado nesta sexta-feira, 19,

Para o governador Waldez Góes (PDT), o mercado internacional é de fundamental importância para que o Brasil, e também o Amapá, possam continuar crescendo economicamente. “O Governo do Estado continua trabalhando para criar as condições necessárias para que esse crescimento não seja apenas uma onda de passagem, mas passe a ser uma consistência econômica do nosso Estado. E para manter essa performance contamos com o apoio do Governo Federal”, disse.

Há cerca de dois meses, o ministro Luiz Fernando Furlan (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior) lançou no Amapá o programa Estado Exportador. A iniciativa tem por finalidade o aumento da capacidade de exportação dos estados cujas vendas para o mercado internacional ainda não ultrapassam U$S 100 milhões anuais.

Além do Amapá, também estão sendo beneficiados com o projeto os estados do Piauí e Sergipe, no Nordeste; Rondônia, Roraima e Tocantins, na Amazônia e Distrito Federal, no Centro-Oeste.

No entendimento do Governo Federal, não se pode ignorar a contribuição das grandes empresas aos seguidos superávits na balança comercial brasileira, mas o País precisa deixar de depender basicamente de grãos e minérios para garantir resultados positivos no mercado internacional.

“É imperativo e urgente, que diversifiquemos a pauta e ampliemos a base exportadora e isso só é possível com a contribuição efetiva das micros, pequenas e médias empresas, que hoje se encontram fora deste mercado. Um exemplo é o desempenho positivo que o Amapá vem obtendo desde o ano passado", afirmou o secretário de Comércio Exterior, Ivan Ramalho.

Joel Elias


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.