Deputado mais quatro seguranças
espancam jornalista no restaurante

Quem viu o que aconteceu no final da noite de sexta-feira no restaurante Recanto Amazônico, localizado na orla da cidade, proximidades da rampa do Santa Inês, classificou de "brutal" a agressão praticada pelo deputado estadual Roberto Góes e mais quatro pessoas que se encontravam com ele, supostamente seguranças e assessores, contra o jornalista e radialista Humberto Moreira. Freqüentadores e funcionários do restaurante viram o deputado aplicar um soco na boca do jornalista que caiu e foi chutado diversas vezes pelo parlamentar, sob olhares dos que se encontravam por perto, alguns tentando acalmar os ânimos. Com a boca sangrando, Humberto Morreria conseguiu levantar e revidou a agressão usando um saleiro com o qual acertou o rosto do deputado. Depois disso os quatro assessores ou seguranças de Roberto Goes iniciaram um espancamento que só terminou no térreo do prédio, inclusive por interferência da Polícia.

Como começou
Quem contou a origem da agressão foi o próprio Humberto Moreira, que estava sentado à uma mesa com o advogado Vicente Cruz, seu amigo de longa data. Humberto disse que só viu o deputado Roberto Goes quando este levantou da mesa onde se encontrava, um pouco afastada e se sentou à mesa onde ele, Humberto se encontrava. Goes estava com um copo de uísque na mão e dava sinais de estar embriagado.
"Ele chegou falando que eu e mais os jornalistas Antonio Corrêa Neto e Paulo Silva passamos anos fazendo denúncias contra a Assembléia Legislativa, e que por causa disso, nós, os jornalistas e o Fran Júnior, que era o presidente da Assembléia, estamos "fodidos". Humberto teria respondido que estava em dificuldades financeiras exatamente por nunca ter vivido de corrupção ou de dinheiro fácil. Roberto Goes se referia à denúncias feitas dos crimes cometidos por um grupo de parlamentares chefiados pelo ex-deputado Fran Júnior, que segundo o Ministério Público Estadual, só num levantamento preliminar atingia cerca de R$ 16 milhões em recursos desviados da sociedade. Humberto Moreira apresentava um programa na Rádio Difusora de Macapá, onde essas denúncias eram feitas quase diariamente.

Ainda segundo Humberto, a conversa continuou em tom áspero, mas ele nem chegou a perceber quando foi agredido. "Eu ia virando de lado quando recebi um soco na boca e cai", disse o jornalista, que tem um problema no joelho e em um do braços. "Quando caí, diante da dificuldade para levantar fui chutado diversas vezes por ele. Num momento vi uma possibilidade de levantar e peguei um saleiro para revidar a agressão, acertando a cara dele com o objeto", segue Humberto. O saleiro atingiu em cheio o rosto de Roberto Goes, o sangue desceu e depois disso a violência da agressão redobrou.

Humberto Moreira não apresentou queixa à Polícia por "estar desorientado". "Estou me sentindo só, isolado, sem dinheiro para pagar um advogado completamente abandonado, recebendo ameaças por ter feito o que deveria ser feito" disse ele.

Os escândalos ocorridos na Assembléia Legislativa do Amapá nos últimos quatro anos principalmente, foram tão claros que chegaram a ser denunciados, também pelo principal envolvido, o então presidente deputado Fran Júnior, em vídeo gravado sem o seu conhecimento, quando Fran disse textualmente que comprava deputado para votar como ele quarta. A gravação foi divulgada em rede nacional pela TV Globo, e Humberto Moreira foi espancado por ter feito a mesma coisa.


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.