INCRA VAI RECUPERAR ASSENTAMENTOS NO ESTADO

A recuperação dos assentamentos existentes no Estado do Amapá é a prioridade do novo superintendente do Incra no Amapá, Cláudio Pinho Santana, que estabeleceu uma agenda de visitas aos 30 assentamentos existentes no Estado para verificar quais as principais dificuldades e conversar com os assentados para definir prioridades. Este procedimento faz parte da nova política de reforma agrária do Governo Federal, recuperar o que já existe e estabelecer um novo modelo baseado no desenvolvimento sustentável.

A agenda iniciou no sábado (17) pelo município de Itaubal do Piririm, localizado a 100km da capital, onde está o Projeto de Assentamento do Itaubal que atende 180 famílias de agricultores. O prefeito Leopoldo Machado e vereadores do município participaram do encontro e disseram que serão parceiros do Incra na recuperação daquele projeto. No domingo(18), foi a vez do Projeto de Assentamento do Corre Água, no município de Macapá, também localizado a 100 km da capital. O projeto atende 101 famílias e possui uma agrovila com o mínimo de infra-estrutura.
As principais dificuldades apresentadas pelos assentados dos dois projetos foram as condições dos ramais e estradas que dificultam o escoamento da produção, falta de assistência técnica e energia elétrica. Todos foram unânimes em agradecer a presença do superintendente do Incra por ser o primeiro a visitar os assentamentos e ver de perto as necessidades deles.
Durante as reuniões, a equipe do Incra ouviu atentamente as críticas e reivindicações dos agricultores e dirimiu algumas dúvidas. Após as reuniões foram feitas visitas a alguns lotes para verificar a produção.

Cláudio Pinho falou que estabeleceu para este ano duas metas prioritárias: a recuperação dos assentamentos e regularização fundiária de trabalhadores rurais e, posteriormente, de prefeituras que precisam de terras para expansão de projetos urbanos nos municípios. Disse ainda que para resolver o problemas dos assentamentos será necessária uma grande parceria entre Governo Federal, Estadual e Municipal, para a qual foram iniciados entendimentos.

Mais de 5 mil famílias são atendidas pelos 30 projetos de assentamentos existentes. Dois são em parceria com o Governo do Estado, no município de Macapá, e um em parceria com a Prefeitura de Laranjal do Jari.

No próximo final de semana, dias 23, 24 e 25, o superintendente do Incra/AP irá visitar os assentamentos Nova Colina, Nova Canaã e Munguba, localizados no município de Porto Grande.

Gilvana Santos
Assessoria de Comunicação
Tel.: 251-7879 / 9971-9207



Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.