Waldez anuncia regulamentação
do Fundo de Desenvolvimento
Municipal para fevereiro

O governador Waldez Góes (PDT) declarou hoje (quinta-feira) que vai encaminhar à Assembléia Legislativa, em fevereiro, projeto de regulamentação do Fundo de Desenvolvimento do Estado e dos Municípios. Através do Fundo serão utilizados os R$ 52 milhões reservados no orçamento de 2003, já por iniciativa do novo governador, para obras de infra-estrutura em todo o Estado.

A declaração de Waldez, durante discurso na inauguração da Biblioteca Pública Municipal de Mazagão, foi aplaudida pelas cerca de duzentas pessoas presentes à solenidade, incluída na programação comemorativa dos 233 anos de Mazagão.

Os R$ 52 milhões foram contingenciados no orçamento pelo governador, e só serão disponibilizados após a regulamentação do Fundo, um compromisso de campanha de Waldez Góes. “Vamos honrar cada compromisso firmado com nossa população”, declarou o governador.

Diante das dificuldades financeiras e orçamentárias enfrentadas pelo Estado, Waldez disse que até poderia adiar a implantação do Fundo para 2004. Mas não fará isso. “Eu teria desculpas para adiar a criação do Fundo, mas não fui eleito para dar desculpas, e sim para tentar resolver os problemas do Amapá”.

Após a regulamentação do Fundo, o governador iniciará uma série de contatos com representantes dos municípios, para definir onde os recursos serão aplicados. “Vamos cumprir o nosso compromisso de estabelecer parcerias com os municípios”, declarou.

Mazagão em festa

Waldez passou parte da manhã e início da tarde desta quinta-feira em Mazagão, acompanhado do prefeito José Odair. O vice-governador Pedro Paulo, deputados federais Jurandil Juarez e Benedito Dias, deputado estadual Eider Pena, e integrantes da equipe de governo estavam na comitiva do governador. Eles foram levar os parabéns ao povo de Mazagão, município que está completando 233 anos de fundação. (clique aqui, para mais informações sobre Mazagão).

Além da inauguração da biblioteca - que ocupa um dos mais antigos prédios do município, onde já funcionou um grupo escolar e o Fórum de Justiça -, Waldez visitou outras obras realizadas em Mazagão com apoio do Governo do Estado, como o hotel de trânsito, a piscina pública semi-olímpica, a sede da Câmara de Vereadores e a reforma da Escola Estadual Manoel Queiroz de Benjamim.

Ainda durante o discurso na inauguração da biblioteca, Waldez falou sobre o débito de mais de R$ 2 milhões do Governo do Estado com empresas de crédito, bancos, seguradoras, planos de saúde e entidades representativas de funcionários públicos. A dívida refere-se a transações denominadas de consignações, através das quais o Governo do Estado efetua descontos em contra-cheques de servidores, para repassar aos credores ou prestadores de serviços. No caso, os descontos foram feitos, mas não repassados. Nesta quinta-feira ele reuniu com representantes das secretarias de Administração e Fazenda, na busca de uma forma de resolver o problema. Como se trata de uma dívida do ano anterior, não pode ser quitada com recursos do orçamento atual.

Ao final do seu discurso, o governador fez um apelo ao prefeito de Mazagão, aos parlamentares presentes e aos integrantes de sua equipe de Governo, para que mantenham compromisso com a justiça social no Amapá. “Vamos estar atentos para que nossas ações priorizem o atendimento à população mais necessitada. Ou damos respostas rápidas ao povo ou vamos ter que lamentar nossas falhas”.

MARCELO ROZA


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.