Médico alicia pacientes da saúde
pública para a saúde privada


O deputado Eider Pena, PDT, denunciou ontem da tribuna da Assembléia, um médico cuja identidade não quis revelar, que atendeu um parente dele, Eider, fazendo uma coisa que é prática antiga entre os profissionais a medicina que usam o serviço público para engordar a medicina privada. Segundo o parlamentar, seu familiar foi informado pelo médico de que deveria se submeter a uma cirurgia. O paciente manifestou desejo de fazer a cirurgia pelo SUS, mas foi imediatamente desestimulado pelo médico, porque "os procedimentos na rede pública são muito demorados. Tem muita burocracia", disse, sugerindo que tudo fosse feito em caráter particular evidentemente que o paciente pagando as contas.

O deputado Ruy Smith, PSB, lembrou em aparte que essa era a grande luta do ex-governador Capiberibe no campo da saúde pública. "O episódio da vinda dos quarenta médicos cubanos, impedidos de trabalhar no Amapá ainda é muito recente", disse o deputado do PSB, contestado pelo deputado e médico Dalto Martins, PMDB, que atribuiu a não aceitação dos médicos de Cuba a uma questão de documentação. Os médicos cubanos estão trabalhando no Tocantins. Já o deputado Jaci Amanajás, PPS, também médico, confirmou a prática: "há vinte anos, médicos que não honram a medicina, fazem isso no Amapá" ,

Como funciona?

Ao longo de muitos anos a saúde pública no Estado vem sendo sucateada para que a medicina privada, paga evidentemente, ganhe espaço. O raciocínio é simples: se a saúde pública não presta, o cidadão vai ser obrigado a buscar a particular para se tratar. Durante esse período foram denunciadas as quebras de equipamentos, o uso de instalações e material público para cirurgias e atendimentos pagos como se fossem privados. Muitos médicos mantinham "reservas"de leitos em hospitais públicos para atender seus clientes de consultório. Clínicas particulares que não possuíam equipamentos de tomografia computadorizada, por exemplo, mandavam os pacientes fazei os exames no aparelho do Hospital Geral, mas incluíam o valor correspondente na conta do tratamento. Médicos não apareciam para trabalhar, mas recebiam rigorosamente seus salários e plantões. Um caso específico de abuso no pagamento de plantões, foi o de um médico que chegava a receber 48 plantões num mês de trinta dias. . Na Maternidade Mãe Luzia, a prioridade era sempre para a paciente com maior poder aquisitivo, indicada pelo médico escolhido por ela para fazer o parto, pago é claro.

A luta contra isso tudo provocou reações violentas entre a classe médica, por parte daqueles que se utilizavam dessas práticas. Os resultados foram excepcionais. O nível de abusos contra os direitos da cidadania caíram bastante, mas ao que parece estão querendo fazer voltar ao que era antes, segundo a denúncia do deputado Eider Pena.


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.