Agricultor amapaense inventa
roçadeira e expõe no Amazontech

O equipamento está sendo fabricado em oficina própria e é revolucionário na capina de campos agrícolas

Há três anos o técnico agrícola, José Alfaia Filho, incomodado com o resultado pouco eficiente das roçadeiras usadas em seu sítio, começou a desenvolver um equipamento agrícola que pudesse suprir suas necessidades nos cuidados com os campos da propriedade rural que mantém há treze anos.

Da primeira idéia surgiu um maquinário rústico. O inventor aproveitou o que tinha na roça: o motor de um mini bug, o esqueleto de um carrinho de mão, uma lâmina do feixe de mola de caminhão e acessórios menores. Ele viu que a idéia era boa e decidiu aperfeiçoar.

Hoje, a roçadeira chegou no estágio que o agricultor desejava. Ela é usada no corte de mato alto e baixo, não acumula em montes a sobra dos cortes, pelo contrário, pica todo o mato espalhando-o uniformemente.

Uma lâmina de aço, associada ao motor potente, corta e tritura. O material triturado é absorvido pelo solo. Os mecanismos são protegidos, por isso, mato e cipó não enrolam no eixo, tornando mais ágil o processo.

"Costumo dizer quer ela é ecologicamente correta, pois não precisamos atear fogo no mato porque não fica nada acumulado. A máquina espalha tudo", comemora o inventor.

O invento já está patenteado, o design foi aprimorado e as encomendas estão sendo entregues. O criador fabrica em pequena escala numa oficina improvisada no próprio sítio. Já foram fabricadas 35 unidades da roçadeira, cada uma ao custo final de R$ 1.500,00 (Mil e quinhentos reais).

A Tropical Center, uma loja de material de construção do Amapá, está comercializando o maquinário.

"O motor tem múltiplas funções para o homem do campo. Pode ser acoplado em embarcações, serras, polias e ainda gerar energia", explica José Alfaia.

Alfaia trabalha só com a ajuda de um filho, mas está buscando modernizar a oficina para aumentar a produção, para isso, conta com o apoio da Secretaria de Estado da Indústria, Comércio e Mineração (Seicom) e Sebrae/AP.

"Há 25 anos sou técnico agrícola e, hoje, me sinto realizado por facilitar a vida do homem do campo. Eu sei a necessidade que o produtor tem de equipamentos que ajudem nas tarefas diárias. Contribuir para isso é uma alegria enorme", finaliza o inventor.


Amazontech
Graças ao apoio do Governo do Estado, a roçadeira será uma das atrações do Amazontech - evento que acontece de 24 a 27 de setembro, em Manaus (AM). O agricultor/inventor quer expandir a idéia e, futuramente, fabricar em grande escala.


Tanha dos Santos Silva

Assessora de Comunicação

Sebrae/Amapá

Contatos 214 1427

[email protected]


Doce Amazônia

Doces e licores
de frutas regionais.
Deliciosos.
0XX96 224 1491


Bombons da Sol
Bombons de chocolate com recheio de frutas regionais.
Deliciosos,
Pedidos pelos telefones 223 4335 e 9964 7433

Tia Neném
Lanches, sucos naturais e comidas regonais e nacionais.
Tacacá especial.
Tradição de 30 anos.
Cônego Domingos Maltez próximo da Eliezer Levy



 

Matinta-perêra
Mulher velha que percorre distâncias à noite. Se afasta se alguém disser que lhe dará um pedaço de rolo de fumo. De manha ela vai buscar.
Cuíra
Diz-se de inquieto, ansioso,impaciente. Daquele que não agüenta a espera de alguma coisa que vai acontecer
Titica
Cipó muito usado para a fabricação de móveis. Chegou à beira da extinção.
Perau
Lugar perigoso do rio. Parte mais funda, onde o rio "não dá pé".
Timbó
Um tipo de veneno usado para matar peixes. Bate-se a planta na água, e o veneno se espalha. sem contrôle, mata.
Catinga de mulata
Catinga é cheiro ruim, mas "Catinga de mulata"é cheiro bom, tanto que virou nome de perfume nos idos dos anos cinquenta
Remanso
Ponto onde o rio se alarga, a terra forma uma reentrância e as águas ficam mais calmas
Bubuia

Aquelas minúsculas bolhas de espuma que se formam na corrente do rio. Viajar de bubuia é ser levado pelas águas. "De bubuia, título de canção popular.
Piracema

Época em que cardumes de peixes sobem os rios para a desova
Pedra do rio
Diz a lenda que que são as lágrimas de uma índia que chorava a perda do amado. É onde está a íagem de São José, na frente de Macapá.
Macapá
Vem de Macapaba, ou "estância das bacabas".
Bacaba
Fruto de uma palmeira, a bacabeira. O fruto produz um vinho grosso parecido com o o açai.
Curumim
Menino na linguagem dos índios, expressão adotada pelos brancos em alguns lugares.
Jurupary
O demônio da floresta tem os olhos de fogo, e quem o vê, de frente, não volta para contar a história.
Yara
É a mãe d'água. Habita os rios, encanta com a suavidade da voz, e leva pessoas para o castelo onde mora, no fundo do rio.
Pitiú
Cheiro forte de peixe, boto, cobra, jacaré e
outros animais.
Ilharga
Perto ou em volta de alguma coisa
Jacaré Açu
Jacaré grande.
Jacaré Tinga
Jacaré pequeno
Panema
Pessoa sem sorte, azarada. Rio em peixe.
Sumano
Simplificação da expressão"ei seu mano",que é usada por quem passa pelo meio do rio para saudar quem se encontra nas margens
Caruana
Espíritos do bem que habitam as águas e protegem as plantas os homens e os animais.
Inhaca
Cheiro forte de maresia, de axilas de homem, de peixe ou de mulher
Tucuju
Nação indígena que habitava a margem esquerda do rio Amazonas, no local onde hoje está localizada a cidade de Macapá.
Montaria
Identifica tanto o cavalo como a canoa pequena, de remo.
Porrudo
Grande, enorme, muito forte ou muito gordo
Boiúna.
Cobra grande, capaz de engolir uma canoa.(Lenda)
Massaranduba
Madeira de lei, pessoa grosseira, mal educada.
Acapu
Madeira preta, gente grossa mal educada.